Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de julho de 2018.
Dia do Comerciante .

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

protesto

Notícia da edição impressa de 16/07/2018. Alterada em 16/07 às 01h00min

Manifestantes invadem o gramado durante a final da Copa do Mundo

Ativistas ligadas à banda Pussy Riot criticam a falta de liberdade na Rússia

Ativistas ligadas à banda Pussy Riot criticam a falta de liberdade na Rússia


MLADEN ANTONOV/AFP/JC
Manifestantes ligados à banda punk feminista russa Pussy Riot invadiram o campo da final da Copa do Mundo no começo do segundo tempo, interrompendo brevemente o jogo entre França e Croácia. Foi a primeira vez que o grupo conseguiu protestar contra o governo na frente de seu maior alvo, o presidente Vladimir Putin, que estava na tribuna de honra do estádio Lujniki.
Dois homens e duas mulheres vestidos com terno, gravata e chapéu, imitando policiais, entraram no campo. Eles foram contidos pelos seguranças da Fifa. Não havia nenhuma forma de identificação que permitisse aos espectadores entender do que se tratava a manifestação, vaiada pelo estádio todo.
Segundo um comunicado postado nas redes sociais da Pussy Riot, a intenção foi protestar contra a falta de liberdade de expressão na Rússia e pedir a libertação de presos como o cineasta Oleg Sentsov, que está em greve de fome. O movimento também reivindicou o fim do que chama de casos judiciais fabricados contra opositores do governo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia