Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de julho de 2018.
Dia do Engenheiro Florestal.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura internacional

12/07/2018 - 14h23min. Alterada em 12/07 às 14h23min

Ninguém ganha com uma guerra comercial, diz FMI

Christine Lagarde quer reduzir barreiras comerciais através de diálogo

Christine Lagarde quer reduzir barreiras comerciais através de diálogo


SAUL LOEB/AFP/JC
Ao comentar sobre a nova rodada de disputas comerciais entre EUA e China, com o plano de Washington de impor tarifas de 10% sobre mais US$ 200 bilhões em mercadorias importadas do país asiático, o diretor de Comunicações do Fundo Monetário Internacional, Gerry Rice, afirmou que a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, tem dito várias vezes que "encorajamos todos a trabalhar de forma construtiva, reduzir barreiras comerciais" e com o diálogo resolver questões extraordinárias entre as partes envolvidas. "Madame Lagarde tem destacado que ninguém ganha com uma guerra comercial", apontou.
Em relação à Grécia, o diretor do FMI apontou que o Comitê Executivo do Fundo deve realizar no dia 27 de julho a avaliação macroeconômica do país no âmbito do Capítulo 4, cujo comunicado deve ser publicado alguns dias depois.
Há quase um mês, ministros das Finanças da zona do euro definiram que a Grécia terá mais dez anos para pagar um montante próximo a 100 bilhões de euros de financiamentos, quase 50% dos empréstimos liberados por países da região a Atenas desde 2010.
De acordo com Rice, no curto prazo o Fundo espera que o "envolvimento do FMI com a Grécia país deverá ser similar como ocorre com outras nações europeias", com um trabalho de supervisão coordenado com o realizado com o mesmo propósito por autoridades do velho continente. "Atuaremos com um programa de pós-monitoramento" econômico, ressaltou o diretor do FMI.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia