Porto Alegre, segunda-feira, 13 de setembro de 2021.
Porto Alegre,
segunda-feira, 13 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Aviação

- Publicada em 18h12min, 13/09/2021.

Avião de caça da Força Aérea cai em Campo Grande

O caça foi direcionado pelo piloto a uma região desabitada, onde colidiu com o solo

O caça foi direcionado pelo piloto a uma região desabitada, onde colidiu com o solo


TopMediaNews/Facebook/Divulgação/JC
Um caça da FAB (Força Aérea Brasileira) caiu no fim da manhã desta segunda-feira (13) em uma área rural próxima a Campo Grande (MS). A informação foi confirmada pelo Comando da Aeronáutica.
Um caça da FAB (Força Aérea Brasileira) caiu no fim da manhã desta segunda-feira (13) em uma área rural próxima a Campo Grande (MS). A informação foi confirmada pelo Comando da Aeronáutica.
Segundo a FAB, o piloto conseguiu se ejetar do avião antes da queda. Ele foi resgatado por um helicóptero H-60 Black Hawk do Esquadrão Pelicano (2º/10° GAV). "Ele passa bem e recebe acompanhamento médico", diz comunicado da Força Aérea.
De acordo com o Comando da Aeronáutica, o piloto se ejetou ao constatar uma falha técnica no avião, uma aeronave de caça A-29 Super Tucano durante voo de treinamento.
O caça foi direcionado pelo piloto a uma região desabitada, onde colidiu com o solo. Segundo relatos e vídeos publicados nas nas redes sociais, havia fumaça em uma área de mata. A Aeronáutica diz que está investigando as causas do acidente.
Segundo a Força Aérea, o A-29 Super Tucano é um avião com capacidade para um tripulante, destinado ao combate aéreo, ataque ao solo e reconhecimento. O avião, produzido pela Embraer, também muito usado para trenamento, conta com uma linha de montagem em nos Estados Unidos. A aeronave passou a ser usada em 2013 nas exibições aéreas da Esquadrilha da Fumaça.
Por causa da queda do caça nesta terça, a pista do Aeroporto Internacional de Campo Grande permaneceu interditada, entre 11h37 e 13h59. A interdição, segundo a Infraero, foi necessária em função do deslocamento de carros de combate a incêndio para socorrer o acidente com aeronave militar.
"Dessa forma, sem os caminhões de combate a incêndio, pousos e decolagens precisaram ser suspensos", afirmou a Infraero em nota.
No período em que o aeroporto esteve fechado, uma aeronave realizando voo comercial, que pousaria em Campo Grande retornou para a origem, em São Paulo e outra, da aviação geral, alternou para o Aeroporto Santa Maria (MS).
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário