Porto Alegre, quarta-feira, 07 de abril de 2021.
Dia do Jornalista. Dia Mundial da Saúde.
Porto Alegre,
quarta-feira, 07 de abril de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Urbanismo

- Publicada em 18h43min, 07/04/2021. Atualizada em 21h21min, 07/04/2021.

Ufrgs vai elaborar laudo sobre situação do 'Esqueletão' no Centro de Porto Alegre

Assinatura de parceria para laudo sobre prédio deve ocorrer na próxima semana

Assinatura de parceria para laudo sobre prédio deve ocorrer na próxima semana


MARIANA CARLESSO/JC
A Prefeitura de Porto Alegre vai firmar acordo com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) para elaborar um laudo sobre a situação da estrutura do “Esqueletão”, prédio inacabado de 19 andares ao lado da Praça XV de Novembro, no centro de Porto Alegre.
A Prefeitura de Porto Alegre vai firmar acordo com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) para elaborar um laudo sobre a situação da estrutura do “Esqueletão”, prédio inacabado de 19 andares ao lado da Praça XV de Novembro, no centro de Porto Alegre.
De acordo com o secretário municipal de Planejamento e Assuntos Estratégicos Cezar Schirmer, a assinatura que firma a parceria entre a instituição de ensino e a prefeitura deve ocorrer na próxima semana. De acordo com Schirmer, pela complexidade do laudo é necessário equipamentos, estrutura e pessoal adequados, e esses três pontos são atendidos pela UFRGS. O custo estimado da produção do laudo é de R$ 250 mil.
O contrato prevê um prazo de quatro meses, mas a expectativa é que esse prazo seja antecipado. “Provavelmente na semana que vem já vamos assinar isso, em torno de 60 dias vamos ter o laudo sobre o prédio e a Prefeitura vai tomar a decisão sobre o que fazer”, afirma Schirmer. “O importante é decidir sobre um assunto que a mais de 60 anos prejudica a paisagem urbana de Porto Alegre”.
No fim de março, a primeira família moradora do prédio deixou o local com apoio da Secretaria Municipal de Habitação de Regularização Fundiária (SMAHRF). O prédio, também chamado XV de Novembro, foi construído na década de 1950. O imóvel tem valor estimado de R$ 3,4 milhões, e uma dívida de R$ 1,7 milhão em impostos.
Comentários CORRIGIR TEXTO