Porto Alegre, segunda-feira, 29 de março de 2021.
Porto Alegre,
segunda-feira, 29 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 15h11min, 28/03/2021. Atualizada em 21h08min, 29/03/2021.

Vacinômetro da Covid-19 no RS: quase 40% das doses não foram aplicadas

Estado recebeu 2,2 milhões de doses e distribuiu 2,14 milhões, mas cerca de 1,3 milhão foram aplicadas

Estado recebeu 2,2 milhões de doses e distribuiu 2,14 milhões, mas cerca de 1,3 milhão foram aplicadas


CRISTINE ROCHOL/PMPA/DIVULGAÇÃO/JC
Patrícia Comunello
No vacinômetro gaúcho da Covid-19, um número chama a atenção: o Rio Grande do Sul recebeu 2,2 milhões de doses, distribuiu aos municípios 2,14 milhões e apenas cerca de 1,3 milhão de doses foram aplicadas até agora.
No vacinômetro gaúcho da Covid-19, um número chama a atenção: o Rio Grande do Sul recebeu 2,2 milhões de doses, distribuiu aos municípios 2,14 milhões e apenas cerca de 1,3 milhão de doses foram aplicadas até agora.
Ou seja: 831,4 mil doses, ou 39% do que foi repassado aos 497 municípios, ainda não teriam oficialmente chegado aos braços de residentes, justamente no momento mais crítico da pandemia no País. No Estado, a situação é grave, com UTIs superlotadas e mortes crescentes.  
O Jornal do Comércio buscou a Secretaria Estadual da Saúde (SES) para entender as razões deste "estoque" de imunizantes nas localidades. O vacinômetro estadual tem dados até este domingo (28) e é alimentado por informações registradas no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), explica a coordenadora do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde da SES, Ana Costa.
Ana apontou algumas razões, como a demora no registro das aplicações no SI-PNI, reserva para a segunda dose e dificuldades estruturais das secretarias municipais, para a diferença entre imunizantes recebidos e o que já foi aplicado, e aproveitou para fazer um apelo contundente aos municípios:
"Vacinar o mais rápido possível. Esta é a ordem".
O Ministério da Saúde deu um empurrão recente neste sentido ao orientar que as prefeituras não guardem vacina para a segunda dose.
O que chegar deve ser aplicado na população, seguindo os grupos prioritários, foco no atual estágio da campanha. Em Porto Alegre, por exemplo, um terço de tudo que foi recebido ainda não chegou à população: chegaram 417.810 doses e 267.147 foram aplicadas. Nesta semana, as faixas de 69, 68, 67 e 66 anos recebem a vacina. Serão mais de 36 mil pessoas.
O Rio Grande do Sul soma mais de 5 milhões dos 11,3 milhões de habitantes nestes grupos. Só para isso serão necessárias 10 milhões de doses devido às duas aplicações. Se for mantida a regularidade de remessas verificada em março, Ana avalia que será possível completar os prioritários até o fim de junho. Já Porto Alegre projeta ir até setembro
"A gente prefere ficar sem vacina do que ficar com vacina parada", reforça a coordenadora do departamento da SES.
Nas últimas semanas, o fluxo de remessas de imunizantes enviados pelo Ministério acelerou. Quase 1,3 milhão de doses desembarcaram no Estado somente em março (Veja os números de cada lote no fim do texto). É o mesmo volume já aplicado. Com isso, as cidades puderam ampliar mais rapidamente as faixas etárias. Mas também precisaram se organizar para dar vazão à essa velocidade. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/03/28/206x137/1_vacina_rs_ana_costa_ses_jornal_do_comercio_2-9279202.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'6060bab6375c2', 'cd_midia':9279202, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/03/28/vacina_rs_ana_costa_ses_jornal_do_comercio_2-9279202.jpg', 'ds_midia': 'Pandemia - novo coronavírus - Covid-19 - imunização - campanha - vacina Covid-19 - Rio Grande do Sul - Ana Costa, coordenadora do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde da Secretaria Estadual da Saúde - RS', 'ds_midia_credi': 'MARÍLIA BISSIGO/SES/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Pandemia - novo coronavírus - Covid-19 - imunização - campanha - vacina Covid-19 - Rio Grande do Sul - Ana Costa, coordenadora do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde da Secretaria Estadual da Saúde - RS', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '513', 'align': 'Left'}
'A gente prefere ficar sem vacina do que ficar com vacina parada", reforça Ana Costa. Foto: Marília Bissigo/SES/Divulgação
"Vacinar rápido significa fazer bloqueio e mais chance de reduzir a capacidade da doença atingir mais pessoas", associa a coordenadora. A imunização, e preferencialmente em massa quando tiver mais oferta, é apontada como a maior arma na guerra da pandemia, inclusive para liberar mais atividades, como eventos, hoje suspensos.
"A pessoa vai ter antiticorpos que vão parar o vírus", traduz, em linguagem simples, o governador Eduardo Leite, em live em seu perfil no Instragam a noite desse sábado (27). Leite não estava analisando a velocidade da aplicação de doses, mas justificando medidas mais restritivas, "enquanto não tiver vacina para parar o vírus no organismo das pessoas".
"Precisamos parar as pessoas que transportam o vírus", avisou o chefe do Palácio Piratini, que projetou mais duas a três semanas para ter "um quadro melhor", neste caso, de redução da pressão em UTIs, com lotação acima de 100% há semanas.
Já as restrições, que foram flexibilizadas na semana passada permitindo a abertura de atividades, devem continuar por igual período, traçou Leite. O Estado entra na quinta semana de bandeira pretaPorto Alegre tentou ampliar a abertura, mas perdeu na Justiça.    
Ana comenta que o governo fez reuniões, na semana passada, com universidades em busca de apoio e mais estrutura para acelerar a vacinação. A ideia é que estudantes que estão concluindo a formação possam se somar na linha de frente da aplicação.
Também devem ser convocados voluntários, como aposentados em diversas áreas da saúde para auxiliar. Além disso, a SES acredita que farmacêuticos e odontólogos possam também se somar nos mutirões. Casos como o de Porto Alegre, que concentra em farmácias a aplicação em profissionais de saúde, poderiam ser ampliados a outros públicos, como os idosos para rapidamente usar as doses.
A intenção de buscar profissionais alternativos é por que as equipes de saúde em postos estão muito demandadas pelos atendimentos da Covid-19. Por isso, o número de postos que estão vacinando não reflete a capacidade total. O Estado tem 2,6 mil unidades de saúde.
Em Porto Alegre, são mais de 140 unidades, mas 33 estão na campanha de imunização, só que de segunda à sexta-feira. No sábado, as opções são drive-thrus, que não estão dando conta da demanda, como ocorreu neste fim de semana. A prefeitura chegou a pedir que os idosos buscassem os postos nesta segunda-feira (29).
Focar em drive-thrus nos fins de semana acaba também restringindo o acesso. Quem não tem carro ou não consegue carona não é vacinado. Na Capital, a prefeitura chegou a emitir nota alertando que pessoas que fossem a pé aos três drives-thrus não receberiam as doses.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/03/28/206x137/1_28b3784f_9adb_4459_a438_022a29feb2e5-9279142.jpeg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'6060b5bc7f758', 'cd_midia':9279142, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/03/28/28b3784f_9adb_4459_a438_022a29feb2e5-9279142.jpeg', 'ds_midia': 'Pandemia - novo coronavírus - Covid-19 - imunização - campanha - vacina Covid-19 - Porto Alegre - aplicação em idosos em drive-thrus - saúde ', 'ds_midia_credi': 'CESAR LPES/PMPA/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Pandemia - novo coronavírus - Covid-19 - imunização - campanha - vacina Covid-19 - Porto Alegre - aplicação em idosos em drive-thrus - saúde ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Novas orientações vão incentivar ampliação da aplicação para domingos e mais horários. Foto: Cesar Lopes/PMPA  
Mais gente para aplicar e ainda em mais dias da semana, como domingos, que apenas algumas cidades estão adotando, e horários, como a noite. Pelotas é um dos exemplos de localidades com vacinação dominical. A ideia é ampliar as opções de locais, dias e horários, para evitar aglomeração.   
"O que precisamos e queremos é que as vacinas não fiquem paradas. Sabemos que os municípios estão fazendo todo o esforço possível, mas precisamos mais", destaca Ana. 
Nesta semana, devem sair orientações da SES para esta mobilização, em estilo de força tarefa, para acelerar a imunização, adianta a coordenadora.         

Dois motivos para o elevado estoque de doses

Duas razões principais explicam parte do armazenamento elevado de doses: demora no registro das aplicações e reserva de imunizantes para a segunda dose.
A coordenadora do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde da SES cita que muitos locais adotam a reserva da segunda dose para aplicar à medida que as pessoas vencem o prazo desde a primeira aplicação. A maior demanda é pela Coronavac - ministrada em até 28 dias -, que chegou com mais volume até agora. A outra é a vacina de Oxford/AstraZeneca, com segunda dose a ser feita em três meses.
Outra razão que explica em parte ter mais de 831 mil doses não aplicadas, pelo menos pelo controle da SES, é a demora das localidades em lançar dados no SI-PNI. Os municípios devem inserir as informações até 48 horas após a aplicação das doses. O vacinômetro estadual puxa estes dados, lembra Ana. Muitas cidades têm dificuldades em atender a este prazo, seja por inabilidade com o sistema ou por falta de gente. 
Porto Alegre, maior cidade em população e que mais doses recebeu até agora, aparece no vacinômetro estadual com 219.438 doses aplicadas (entre primeira e segunda) até este domingo - a Capital recebeu até agora 417.810 doses, incluindo os lotes que chegaram na sexta-feira. Mas o vacinômetro municipal informa 267.147 aplicadas. Como falta adicionar as 5.266 doses ministradas nos drive-thrus nesse sábado, o número total passa a ser de 272.409 doses aplicadas.
Mesmo fazendo essa atualização, ainda estão armazenadas 145.401 doses (diferença entre as 417.810 unidades recebidas e as 272.409 aplicadas). Ou seja, 35% de tudo que foi distribuído à Secretaria Municipal da Saíde (SMS) ainda não foi usado.
Pelo painel da SES, é possível ver que muitas grandes cidades estão com taxas de aplicação abaixo de médias e pequenas localidades. Algumas indicam situações mais críticas, como Eldorado do Sul, que só ministrou 3,2% das 4.942 unidades recebidas. Isso significa que apenas 159 pessoas teriam sido vacinadas. "Estamos monitorando e vendo o que aconteceu", diz a coordenadora.  
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/03/28/206x137/1_51073401737_3507e9b874_3k-9279214.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'6060c0b467cc6', 'cd_midia':9279214, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2021/03/28/51073401737_3507e9b874_3k-9279214.jpg', 'ds_midia': 'Desembarque de 290 mil doses de vacinas no Estado RS - novo coronavírus - Covid-19 - pandemia - PORTO ALEGRE, RS, BRASIL-- lote é composto por 227,4 mil doses da CoronaVac e 62,6 mil da vacina de Oxford/AstraZeneca. Fotos: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini', 'ds_midia_credi': 'GUSTAVO MANSUR/PALÁCIO PIRATINI/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Desembarque de 290 mil doses de vacinas no Estado RS - novo coronavírus - Covid-19 - pandemia - PORTO ALEGRE, RS, BRASIL-- lote é composto por 227,4 mil doses da CoronaVac e 62,6 mil da vacina de Oxford/AstraZeneca. Fotos: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
RS já recebeu 10 lotes de imunizantes; março lidera com quase 1,3 milhão de doses. Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

Lotes de vacinas recebidos pelo Rio Grande do Sul

Foram um total de 10 lotes que chegaram em três meses (fonte Vacinômetro): 
  • Doses recebidas pela SES: 2.216.450
  • Doses distribuídas aos municípios: 2.142.155
  • Doses aplicadas (1ª e 2ª): 1.310.766 
  • Doses aplicadas do total distribuído: 61,2%

Fluxo de chegada dos lotes mês a mês

Janeiro: 511,2 mil doses
  • Dia 18 (1): 341,8 mil doses da Coronavac
  • Dia 24 (2): 116 mil doses de Oxford/AstraZeneca
  • Dia 25 (3): 53,4 mil doses da Coronavac
Fevereiro: 412,4 mil doses
  • Dia 7 (4): 193,2 mil doses da Coronavac
  • Dia 24 (5): 135 mil doses de Oxford/AstraZeneca e 84,2 mil doses da Coronavac
Março: 1.292.850 mil doses
  • Dia 3 (6): 174,8 mil doses da Coronavac
  • Dia 9 (7): 187,8 mil doses da Coronavac
  • Dia 17 (8): 318,2 mil doses da Coronavac
  • Dia 20 (9): 285,8 mil doses da Coronavac e 36,25 mil doses de Oxford/AstraZeneca
  • Dia 26 (10): 227,4 mil doses da Coronavac e 62,6 mil doses de Oxford/AstraZeneca
Fonte: Vacinômetro RS
Comentários CORRIGIR TEXTO