Porto Alegre, segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Distanciamento Controlado

- Publicada em 17h10min, 15/02/2021. Atualizada em 18h34min, 22/02/2021.

Governo do RS nega recursos e 16 regiões ficam na bandeira vermelha

Santa Maria, Guaíba e Passo Fundo haviam entrado com recurso para alterar classificação

Santa Maria, Guaíba e Passo Fundo haviam entrado com recurso para alterar classificação


Divulgação/JC
O Gabinete de Crise do governo do Estado decidiu indeferir, nesta segunda-feira (15), os três pedidos de reconsideração ao mapa preliminar da 41ª rodada do Distanciamento Controlado. Isso significa que o mapa definitivo permanece com 16 regiões em bandeira vermelha e cinco regiões em bandeira laranja (Bagé, Caxias do Sul, Ijuí, Pelotas e Santa Rosa). A vigência da classificação vai de 16 a 22 de fevereiro.
O Gabinete de Crise do governo do Estado decidiu indeferir, nesta segunda-feira (15), os três pedidos de reconsideração ao mapa preliminar da 41ª rodada do Distanciamento Controlado. Isso significa que o mapa definitivo permanece com 16 regiões em bandeira vermelha e cinco regiões em bandeira laranja (Bagé, Caxias do Sul, Ijuí, Pelotas e Santa Rosa). A vigência da classificação vai de 16 a 22 de fevereiro.
O pedido de reconsideração da região Covid de Santa Maria foi indeferido porque a região apresentou piora na avaliação de indicador específico, que recebeu avaliação de risco altíssimo (bandeira preta). Somado à piora na avaliação de um indicador de velocidade de propagação da Macrorregião Centro-Oeste, houve elevação da média ponderada final, o que determina a bandeira vermelha. Além disso, a região também atingiu níveis de risco para acionamento da salvaguarda de bandeira vermelha.
Para a região de Guaíba, a equipe técnica aponta piora considerável nos dados da região – aumento de 81% de casos internados e baixa disponibilidade de leitos de UTI. Acrescidos à situação de aumento constatada na macrorregião Metropolitana e ao fato de a região de Guaíba ter indicadores que delinearam o acionamento da salvaguarda, o Gabinete de Crise optou por indeferir o pedido.
Por último, o pedido da região de Passo Fundo também foi indeferido devido à piora de dois indicadores que consideram dados específicos da região, que chegaram à bandeira preta. A piora de um indicador de velocidade de propagação da Macrorregião Norte e níveis de risco para acionamento da salvaguarda de bandeira vermelha fizeram com que o Gabinete de Crise optasse por indeferir a solicitação da região.
Entre os indicadores monitorados pelo sistema de enfrentamento à pandemia, chamam a atenção a forte elevação no número de confirmados em leitos clínicos (+23%), o aumento nos registros de hospitalização (+32%) e também no número de óbitos (+16%). As internações em UTI se mantiveram estáveis (+1%).
Na 41ª semana do modelo de Distanciamento Controlado, houve leve aumento no número total de leitos de UTI ocupados. Considerando a estabilidade no total de leitos e também dos confirmados com Covid-19 em UTI, a razão de leitos livres para cada ocupado por Covid-19 reduziu para 0,79 no Estado.
O Rio Grande do Sul apresenta a 12ª maior taxa semanal de óbitos e a 17ª maior taxa de mortalidade acumulada de óbitos do país (100 por 100 mil habitantes). Com a inclusão de 24 registros no domingo (14/2), o Estado chegou a 11.379 óbitos, com a média semanal de 55 óbitos por dia, o que representa um aumento frente à semana anterior (+18,5%).
Das 16 regiões classificadas em bandeira vermelha, 14 já aderiram ao sistema de cogestão regional, ou seja, podem adotar protocolos próprios compatíveis até o nível de restrição da bandeira laranja. Guaíba e Santa Maria, que não aderiram à cogestão, devem seguir os protocolos de bandeira vermelha determinados pelo Estado. As duas são as únicas das 21 regiões Covid que não aderiram ao sistema de cogestão regional.
As cinco regiões classificadas em laranja, que participam da cogestão, podem utilizar protocolos de bandeira amarela, desde que previstos e atualizados nos planos regionais.
O mapa definitivo da 41ª rodada traz 378 municípios (do total de 497) em bandeira vermelha, somando 8,6 milhões de habitantes, o que corresponde a 76% da população gaúcha (total de 11,3 milhões de habitantes).
Desses, 164 municípios (703,8 mil habitantes, 6,2% da população gaúcha) podem adotar protocolos de bandeira laranja, porque cumprem os critérios da Regra 0-0, ou seja, não têm registro de óbito ou hospitalização de moradores nos últimos 14 dias, desde que a prefeitura crie um regulamento local.
RESUMO DA 41ª RODADA
Bandeira vermelha (16)
Cachoeira do Sul (em cogestão)
Canoas (em cogestão)
Capão da Canoa (em cogestão)
Cruz Alta (em cogestão)
Erechim (em cogestão)
Guaíba
Lajeado (em cogestão)
Novo Hamburgo (em cogestão)
Palmeira das Missões (em cogestão)
Passo Fundo (em cogestão)
Porto Alegre (em cogestão)
Santa Cruz do Sul (em cogestão)
Santa Maria
Santo Angelo (em cogestão)
Taquara (em cogestão)
Uruguaiana (em cogestão)
Bandeira laranja (5)
Bagé (em cogestão)
Caxias do Sul (em cogestão)
Ijuí (em cogestão)
Pelotas (em cogestão)
Santa Rosa (em cogestão)
Comentários CORRIGIR TEXTO