Porto Alegre, terça-feira, 19 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 19 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 11h40min, 19/01/2021.

RS teve 14% mais mortes por causas respiratórias em 2020

Covid-19 causou 582 mortes de gaúchos em suas casas no ano passado

Covid-19 causou 582 mortes de gaúchos em suas casas no ano passado


MICHAEL DANTAS/AFP/JC
Os números não deixam dúvidas: a pandemia do novo coronavírus mudou o cenário de mortalidade no Rio Grande do Sul. Conforme dados dos cartórios gaúchos, o Estado teve um aumento de 14,3% no número de óbitos por doenças respiratórias em 2020 na comparação com 2019.
Os números não deixam dúvidas: a pandemia do novo coronavírus mudou o cenário de mortalidade no Rio Grande do Sul. Conforme dados dos cartórios gaúchos, o Estado teve um aumento de 14,3% no número de óbitos por doenças respiratórias em 2020 na comparação com 2019.
As informações foram compiladas no Portal da Transparência da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil). Desde 2016, na série histórica das Estatísticas Vitais de óbitos do Registro Civil, não morreram tantos gaúchos em um só ano, e não houve uma variação anual de óbitos tão grande como a ocorrida entre os últimos dois anos.
No ano passado, um total de 93.574 óbitos foram registrados nos cartórios gaúchos - 4,4% a mais que no ano anterior, superando a média histórica de variação anual de mortes no Estado que era, até 2019, de 1,5% ao ano.
A pandemia trouxe também reflexo em outras doenças que registraram aumento considerável na variação entre os anos de 2019 e 2020. Foi o caso das mortes causadas por doenças respiratórias, que passaram de 31.556 para 36.072. Entre as doenças deste tipo, a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) disparou, registrando crescimento de 331%.
Outro número que apresentou um salto em 2020 em relação ao ano anterior foi o de óbitos ocorridos em domicílio, que tiveram um crescimento de 14,4%. Na avaliação da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Rio Grande do Sul (Arpen/RS), isso se deu muito em razão do receio das pessoas frequentarem hospitais ou mesmo realizarem tratamentos de rotina durante a pandemia, assim como pela falta de leitos em momentos críticos da pandemia. No caso de mortes fora de hospitais, as causas respiratórias cresceram 20,8%, sendo que as SRAGs registraram a maior variação, com aumento de 150%.
De acordo com os registros de óbitos, feitos com base nos atestados assinados por médicos, 582 gaúchos morreram de Covid-19 em suas casas no ano passado. Os óbitos por causas cardíacas fora de hospitais também cresceram, superando em 15,4% as do ano anterior.
Comentários CORRIGIR TEXTO