Porto Alegre, domingo, 17 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 17 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Coronavírus

- Publicada em 12h27min, 17/01/2021. Atualizada em 20h04min, 17/01/2021.

Área técnica da Anvisa recomenda aprovação do uso emergencial das vacinas

Mendes diz que dados não permitem avaliar eficácia e segurança da vacina no longo prazo

Mendes diz que dados não permitem avaliar eficácia e segurança da vacina no longo prazo


ANVISA/DIVULGAÇÃO/JC
A área técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou neste domingo (17) a aprovação do uso emergencial da Coronavac e da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. Os imunizantes serão distribuídos no Brasil, respectivamente, pelo Instituto Butantã e pela Fiocruz. A reunião foi transmitida ao vivo pelo canal da Anvisa no YouTube.
A área técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou neste domingo (17) a aprovação do uso emergencial da Coronavac e da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. Os imunizantes serão distribuídos no Brasil, respectivamente, pelo Instituto Butantã e pela Fiocruz. A reunião foi transmitida ao vivo pelo canal da Anvisa no YouTube.
Os cinco diretores da agência ainda vão votar se aprovam o uso da vacina. No caso da Coronavac, a área técnica recomendou ainda o monitoramento das "incertezas e reavaliação periódica" dos dados da vacina. A Anvisa já marcou uma inspeção de boas práticas clínicas, em 25 de janeiro, para avaliar dados pendentes sobre a vacina.
O gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, listou algumas incertezas sobre a vacina, mas disse que recomenda o uso devido à pandemia, aumento de casos e ausência de terapia contra a Covid-19. Ele afirmou que os dados entregues pelo Butantã não permitem avaliar a eficácia e segurança da vacina no longo prazo, e sobre o poder do imunizante para proteger idosos.
Além disso, os dados não permitem conclusões sobre desfechos secundários da vacina, como a proteção de casos leves (que exigem ida ao médico) e graves e moderados (que podem levar à internação). A eficácia geral da vacina é de 50,39%, segundo a Anvisa. O Butantã ainda aponta redução de 78% de casos leves, mas a agência afirma que não há dados para essa alegação.
No caso da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, a eficácia primária total é de 70,42%. Segundo Mendes, o resultado mostra eficácia significativa, mas a exceção é o grupo de idosos já que, em função do  baixo número de participantes, não foi possível fazer uma análise significativa. 
O uso emergencial das vacinas pode ser autorizado mesmo com estudos em andamento. A premissa é de que o risco-benefício seja favorável. 
Comentários CORRIGIR TEXTO