Porto Alegre, quinta-feira, 14 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 14 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 20h23min, 13/01/2021.

Estado prevê vacinar 1 milhão de pessoas no grupo prioritário

Governo diz já contar com 4,5 milhões de seringas para aplicação do imunizante

Governo diz já contar com 4,5 milhões de seringas para aplicação do imunizante


/JOHN CAIRNS/UNIVERSITY OF OXFORD/AFP/JC
Com previsão de o Ministério da Saúde iniciar a campanha de vacinação contra a Covid-19 na segunda quinzena de janeiro, a secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, diretores e técnicos da Secretaria da Saúde (SES-RS) se reuniram nesta quarta-feira para acertar o detalhamento do plano estadual. A estimativa do governo do Estado é de quer cerca de 1 milhão de gaúchos façam parte dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde e que devem ser imunizados inicialmente.
Com previsão de o Ministério da Saúde iniciar a campanha de vacinação contra a Covid-19 na segunda quinzena de janeiro, a secretária estadual da Saúde, Arita Bergmann, diretores e técnicos da Secretaria da Saúde (SES-RS) se reuniram nesta quarta-feira para acertar o detalhamento do plano estadual. A estimativa do governo do Estado é de quer cerca de 1 milhão de gaúchos façam parte dos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde e que devem ser imunizados inicialmente.
De acordo com o Plano Nacional de Imunização, os grupos prioritários são profissionais na linha de frente em contato direto com o vírus, como pessoas que trabalham em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), centros de triagem e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu); idosos em lares de longa permanência; idosos fora desses lares escalonados por faixa etária (mais de 80 anos; de 75 a 79 anos; de 70 a 74 anos); indígenas e quilombolas.
"Assim que a vacina chegar ao Rio Grande do Sul, já temos estrutura e planejamento para iniciar a vacinação", afirma Arita. De acordo com a diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Cynthia Molina-Bastos, o processo de vacinação contra a Covid-19 será o mesmo de outras campanhas de imunização, como a da influenza, realizada anualmente.
Como, provavelmente, o Rio Grande do Sul não deverá receber um lote de doses suficiente para vacinar toda a população dos grupos prioritários, a SES-RS já definiu quem irá ser imunizado primeiro. "Como a quantidade a ser recebida inicialmente talvez não seja suficiente para aplicar as doses em toda essa população de uma vez, teremos de adotar critérios. Se tivermos que fazer escolhas, os primeiros a receber serão profissionais que trabalham diretamente no atendimento a pacientes Covid", aponta a secretária.
Em relação às agulhas e seringas, a SES terminou 2020 com um estoque de 4,5 milhões de seringas, e foram adquiridas, por registro de preços, mais 10 milhões de seringas agulhadas. A entrega desses insumos aos municípios será escalonada e integrada com a distribuição da vacina. De acordo com a secretária, esses itens, além da possibilidade de recebimento de agulhas e seringas do Ministério da Saúde somados aos estoques dos municípios, serão suficientes para atender toda a demanda da vacinação contra a Covid e das outras campanhas que ocorrem em paralelo (como influenza, sarampo e todo o calendário básico de vacinação).
Outro ponto tratado diz respeito ao armazenamento. Segundo a secretaria, o Estado tem capacidade adequada tanto em Porto Alegre como nas Coordenadorias Regionais de Saúde (CRS). A SES entregou nas últimas semanas 43 câmaras de conservação no Interior. Somadas às já existentes nas CRS, a estrutura totaliza 96 câmaras refrigeradas.
Comentários CORRIGIR TEXTO