Porto Alegre, terça-feira, 03 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 03 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 11h24min, 03/11/2020.

Vacinação contra o sarampo imuniza apenas 0,08% do público alvo de adultos no RS

Rio Grande do Sul tem 37 casos confirmados da doença em 2020

Rio Grande do Sul tem 37 casos confirmados da doença em 2020


MARCO QUINTANA/JC
Juliano Tatsch
A mobilização nacional contra o sarampo terminou na sexta-feira, dia 30 de outubro. O foco na quarta etapa da campanha foi a população adulta, com idade entre 20 e 49 anos de idade. Conforme dados preliminares do Ministério da Saúde, o Rio Grande do Sul foi o Estado com menor cobertura vacinal contra a doença na faixa etária.
A mobilização nacional contra o sarampo terminou na sexta-feira, dia 30 de outubro. O foco na quarta etapa da campanha foi a população adulta, com idade entre 20 e 49 anos de idade. Conforme dados preliminares do Ministério da Saúde, o Rio Grande do Sul foi o Estado com menor cobertura vacinal contra a doença na faixa etária.
Cerca de 3,9 mil gaúchos, entre 20 e 49 anos, se vacinaram contra o sarampo, o que corresponde a 0,08% do público-alvo, que é de 4,8 milhões de pessoas em todo o Estado. O Rio Grande do Sul é o estado com o menor percentual de cobertura vacinal na campanha entre os 17 que já tiveram os dados divulgados pelo Ministério da Saúde.
Em 2020, já foram confirmados 8.187 casos de sarampo no Brasil, em 21 estados, de acordo com o ministério. No Rio Grande do Sul, são 37 casos da doença já confirmados neste ano.
As duas primeiras etapas da campanha ocorreram em 2019, com a realização de ações nacionais, em outubro, para crianças de seis meses a menores de 5 anos de idade. A segunda etapa foi realizada em novembro de 2019 para a população de 20 a 29 anos. A terceira etapa, que ocorreu entre 10 de fevereiro a 13 de março deste ano, teve como público-alvo a população de 5 a 19 anos.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/11/03/206x137/1_tabela_vacinacao-9179351.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5fa163bf26639', 'cd_midia':9179351, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/11/03/tabela_vacinacao-9179351.jpg', 'ds_midia': 'Vacinação contra o sarampo no Brasil', 'ds_midia_credi': 'Arte/JC', 'ds_midia_titlo': 'Vacinação contra o sarampo no Brasil', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '720', 'align': 'Left'}
Os níveis de cobertura vacinal vêm caindo e trazido preocupação para os gestores da área da saúde pública. A Secretaria Estadual da Saúde, por exemplo, decidiu prorrogar a Campanha de Vacinação contra a Poliomielite até o dia 21 de novembro. A campanha, inicialmente, se encerrava no dia 30 de outubro, A medida se dá em razão da baixa procura.
Um segundo Dia D de mobilização será realizado no dia 21, um sábado, em que os postos de saúde e as casas de vacina ficarão abertos para estimular e facilitar às famílias o acesso à imunização contra a pólio das crianças menores de cinco anos. A Multivacinação para atualização da caderneta de vacinação de crianças e adolescentes até 15 anos também foi prorrogada.
Até a quinta-feira (29), haviam sido aplicadas 286.403 doses da vacina contra a poliomielite em crianças de até 5 anos, o que corresponde a 54,1% da faixa etária abrangida pela Campanha. A meta era imunizar 95% dessas crianças. "Além de prorrogarmos a campanha, vamos reforçar com os secretários de Saúde dos municípios a importância de ampliarmos a cobertura vacinal para a proteção de nossas crianças", afirmou a secretária da Saúde do Estado, Arita Bergmann.
Apenas 98 municípios gaúchos (20% do total) atingiram a meta. “É fundamental buscarmos coberturas vacinais homogêneas para todas as faixas etárias. Lembramos, mais uma vez, que circulam no Estado doenças que podem levar a graves sequelas ou mesmo levar a óbito e que podem facilmente ser prevenidas por meio da vacina, como o tétano, o sarampo e a febre amarela”, aponta a chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Tani Ranieri.
Comentários CORRIGIR TEXTO