Porto Alegre, terça-feira, 06 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 06 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

educação

- Publicada em 19h27min, 06/10/2020. Atualizada em 19h27min, 06/10/2020.

Famurs mantém orientação contrária à volta das aulas presenciais no Rio Grande do Sul

Entidade recomenda que as atividades remotas sejam mantidas enquanto não houver segurança

Entidade recomenda que as atividades remotas sejam mantidas enquanto não houver segurança


CLAUDIO FACHEL/PALÁCIO PIRATINI/JC
A retomada das aulas presenciais no Rio Grande do Sul em meio à pandemia do coronavírus, já adotada em parte das redes privadas e municipais, ainda não é de apoio unânime. Em assembleia geral nesta terça-feira (6), a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) voltou a orientar que não se retomem as atividades escolares enquanto não houver a segurança total de alunos e servidores da educação.
A retomada das aulas presenciais no Rio Grande do Sul em meio à pandemia do coronavírus, já adotada em parte das redes privadas e municipais, ainda não é de apoio unânime. Em assembleia geral nesta terça-feira (6), a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) voltou a orientar que não se retomem as atividades escolares enquanto não houver a segurança total de alunos e servidores da educação.
A entidade recomenda que as atividades remotas sejam mantidas por enquanto, mas solicita à Secretaria Estadual de Educação um plano para recuperação das aulas. O calendário de retorno das aulas começou pela Educação Infantil, no dia 8 de setembro, e prevê a retomada do Ensino Médio estadual no dia 20 de outubro.
Na serra gaúcha, o retorno da rede estadual foi adiado em mais duas semanas. Em Porto Alegre, a adesão nas escolas públicas de Educação Infantil da Capital, que puderam retornar na segunda-feira (5), ainda é parcial.
A deliberação ainda solicitou que o governador Eduardo Leite "não condicione o retorno de nenhuma atividade a eventual retorno presencial das aulas nas cidades gaúchas". Segundo a Famurs, a ação pode ferir a autonomia dos municípios e impor pressões e responsabilidades aos prefeitos "que devem ser suportadas pelo Governo do Estado".
Comentários CORRIGIR TEXTO