Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Crime

- Publicada em 09h01min, 24/09/2020.

PF desarticula associação criminosa que movimentou mais de R$ 230 milhões na fronteira com o Uruguai

Operação Yallah cumpre mandados em Chuí, Santa Vitória do Palmar e Uruguaiana

Operação Yallah cumpre mandados em Chuí, Santa Vitória do Palmar e Uruguaiana


POLÍCIA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC
A Polícia Federal deflagra, nesta manhã (24), a Operação Yallah, para desarticular a associação criminosa especializada em evasão de divisas, operação de câmbio ilegal e em lavagem de capitais, estabelecida na fronteira do sul do Brasil (Chuí/RS) com o Uruguai (Chuy/UY).
A Polícia Federal deflagra, nesta manhã (24), a Operação Yallah, para desarticular a associação criminosa especializada em evasão de divisas, operação de câmbio ilegal e em lavagem de capitais, estabelecida na fronteira do sul do Brasil (Chuí/RS) com o Uruguai (Chuy/UY).
 
Cerca de 50 policiais federais cumprem 11 mandados de busca e apreensão nas cidades de Santa Vitória do Palmar (3), Chuí (7) e Uruguaiana (1). Também são cumpridas ordens judiciais de bloqueio de ativos em contas bancárias de seis pessoas físicas e jurídicas e a indisponibilidade de nove veículos que superam um milhão de reais em valores de mercado. As medidas foram expedidas pela 11ª Vara Criminal da Justiça Federal de Porto Alegre.
 
A investigação teve início com a notícia de movimentações financeiras suspeitas envolvendo membros da associação criminosa, que, entre 2016 e 2018, teriam movimentado mais de R$ 230 milhões entre diversas contas bancárias.
 
O inquérito policial aponta a existência de uma rede de pessoas físicas e jurídicas, todas residentes ou sediados na fronteira entre o Brasil e o Uruguai, que receberiam em contas bancárias valores oriundos das mais diferentes regiões do Brasil. A associação criminosa é responsável por gerenciar uma rede de contas bancárias, muitas vinculadas a laranjas e a empresas de fachada. Após o aporte dos valores nas contas de controle dos membros da associação criminosa, o grupo operacionalizava o saque, o transporte e a entrega dos valores em casas de câmbio e em outras instituições financeiras do Uruguai.
 
A Operação foi denominada Yallah, uma expressão usual na região, alusiva a origem dos principais investigados.
Comentários CORRIGIR TEXTO