Porto Alegre, quinta-feira, 24 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 24 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

prefeitura de porto alegre

- Publicada em 20h33min, 27/08/2020. Atualizada em 20h42min, 28/08/2020.

Porto Alegre libera feiras fixas, como o Brique, e velórios de vítimas de Covid-19

Feiras livres, como o Brique da Redenção, poderão funcionar com distanciamento de cinco metros

Feiras livres, como o Brique da Redenção, poderão funcionar com distanciamento de cinco metros


JONATHAN HECKLER/ARQUIVO/JC
A prefeitura de Porto Alegre voltou a liberar a realização das feiras fixas e velórios de vítimas da Covid-19 após o período de transmissibilidade da doença na Capital. A medida foi publicada no Diário Oficial de Porto Alegre (Dopa) nesta quinta-feira (27) em decreto (20.709) que passa a valer a partir desta sexta-feira (28).
A prefeitura de Porto Alegre voltou a liberar a realização das feiras fixas e velórios de vítimas da Covid-19 após o período de transmissibilidade da doença na Capital. A medida foi publicada no Diário Oficial de Porto Alegre (Dopa) nesta quinta-feira (27) em decreto (20.709) que passa a valer a partir desta sexta-feira (28).
Segundo a prefeitura, a definição foi permitida após encontros com representantes dos setores.
As feiras livres, inclusive as de hortifrutigranjeiros, artesanato, antiguidades, artes plásticas e gastronomia, fixas e licenciadas pelo Município, poderão funcionar com distanciamento mínimo de cinco metros entre as bancas. Também está proibido consumo e degustação de alimentos. As feiras de hortifrutigranjeiros seguiram operando durante a pandemia, mas com regras para conter a aglomeração.
Nos velórios, os casos de óbitos cuja causa seja atribuída a infecção suspeita ou confirmada pela Covid-19 deverão ter o transporte e disposição do cadáver em caixão lacrado. Já a autorização para realização dos ritos funerários usuais para óbitos após o período de transmissibilidade da doença deverá ocorrer mediante declaração de profissional médico da instituição em que ocorreu o falecimento. O modelo consta como anexo no decreto 20.709. 
Comentários CORRIGIR TEXTO