Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Educação

- Publicada em 15h21min, 10/07/2020. Alterada em 15h21min, 10/07/2020.

Pais gaúchos fazem petição para que aulas presenciais não sejam retomadas durante a pandemia

Pais argumentam que retorno pode contribuir para uma contaminação em massa de alunos, professores e familiares

Pais argumentam que retorno pode contribuir para uma contaminação em massa de alunos, professores e familiares


BO AMSTRUP/RITZAU SCANPIX/AFP/JC
Gabriela Porto Alegre
Preocupados com a possibilidade de retorno das atividades presenciais nas escolas gaúchas, um grupo formado por pais e membros da comunidade escolar se uniu a fim de tentar evitar a retomada das aulas até que se tenha uma situação controlada da pandemia.
Preocupados com a possibilidade de retorno das atividades presenciais nas escolas gaúchas, um grupo formado por pais e membros da comunidade escolar se uniu a fim de tentar evitar a retomada das aulas até que se tenha uma situação controlada da pandemia.
A iniciativa, intitulada “Direito ao Ensino não Presencial Durante a Pandemia”, já conta com cerca de 5,3 mil apoiadores nas redes sociais. O grupo também criou uma petição on-line em Porto Alegre, assim como em Caxias do Sul e em Gramado. Juntas, as três cidades já contam com mais de 70 mil adesões para que as atividades escolares se mantenham na modalidade a distância.
Para Cassina Lipp, advogada e participante da iniciativa, as aulas on-line estão longe de serem o ideal, mas para o momento de pandemia são a alternativa mais viável. “O ensino remoto está longe de ser o ideal, mas neste momento de incertezas, precisamos preservar a vida antes do ensino”, afirmou. “Esse tipo de ensino tem muito a ver com questões de desigualdades, que uns alunos absorvem bem e outros nem tanto. Não é a situação perfeita, mas é o ideal para o momento”.
A ação, segundo Cassiana, tem como objetivo buscar a adesão do governo estadual, tendo em vista que a pauta preocupa muitos gaúchos. “As escolas privadas podem até conseguir cumprir as normas de distanciamento, mas nas escolas públicas sabemos que isso será muito difícil. Além do mais, caso haja um retorno, poderemos estar contribuindo para uma contaminação em massa de alunos, professores e familiares”.
Atualmente, o grupo está com uma pesquisa em andamento para verificar qual é o posicionamento dos gaúchos em relação à possibilidade da volta das atividades presenciais na área da educação. O questionário pode ser respondido por meio do link encurtador.com.br/puwJP.
Comentários CORRIGIR TEXTO