Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Serviços

- Publicada em 21h34min, 02/07/2020. Alterada em 15h55min, 03/07/2020.

Depois de 20 anos, Tia Carmen fecha casa noturna definitivamente

Fechado desde o começo da pandemia, o imóvel da casa noturna foi colocado à venda

Fechado desde o começo da pandemia, o imóvel da casa noturna foi colocado à venda


VITOR LAITANO/ESPECIAL/JC
Vitor Laitano
O Carmen’s Club, uma das boates mais conhecidas de Porto Alegre, fechou as portas para não abrir mais. O imóvel onde a casa noturna funcionou por mais de 20 anos - na rua Olavo Bilac, no bairro Azenha, próximo ao Centro da Capital - está à venda. A casa está fechada desde março, quando foram adotadas restrições devido à pandemia, e o tipo de atividade foi proibido devido a aglomerações e riscos de contaminação.   
O Carmen’s Club, uma das boates mais conhecidas de Porto Alegre, fechou as portas para não abrir mais. O imóvel onde a casa noturna funcionou por mais de 20 anos - na rua Olavo Bilac, no bairro Azenha, próximo ao Centro da Capital - está à venda. A casa está fechada desde março, quando foram adotadas restrições devido à pandemia, e o tipo de atividade foi proibido devido a aglomerações e riscos de contaminação.   
Com as atividades interrompidas, o estabelecimento não teve mais receitas ligadas a atividades físicas. “O rendimento parou”, comentou Soraia Maria Saloum Rosso, proprietária da boate e mais conhecida como Tia Carmen. “Mas as despesas não.” 
Mesmo medidas que tentaram contornar a crise, como o lançamento de streaming de vídeos eróticos, ainda no fim de março, não foram suficientes para vencer o “desequilíbrio da balança”, segundo a empresária. Além do negócio digital não ter dado certo, gerou uma despesa de R$ 60 mil. Os conteúdos tinham pole dance, lap dance, striptease, shows e performances e, dependendo do plano, o assinante podia ter acesso a vídeos 360 graus. 
Para agravar ainda mais a situação financeira, Soraia cita que sofre ações trabalhistas de ex-funcionários, que chegam a R$ 150 mil. A dona da casa diz que pretende pagar o passivo trabalhista com parte do dinheiro da venda do imóvel.
Soraia adianta que, após o fim da pandemia do novo coronavírus, não pretende retomar o mesmo ramo de negócios que a tornou tão conhecida na Capital. Ela é dona do restaurante Sheik Burger, situado no trecho revitalizado da Orla do Guaíba.
“Vou seguir no ramo da gastronomia”, garante. O restaurante segue funcionando, com tele-entrega de lanches, salgados e porções, conta.
Comentários CORRIGIR TEXTO