Porto Alegre, sexta-feira, 26 de junho de 2020.
Dia Internacional de Combate às Drogas.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 26 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Investigação

26/06/2020 - 10h49min. Alterada em 26/06 às 10h54min

Rio Grande do Sul e Ceará são alvos de operação da PF contra hackers

Operação Capture The Flag foi deflagrada nesta sexta

Operação Capture The Flag foi deflagrada nesta sexta


Polícia Federal/Divulgação/JC/
Agência Brasil
Com o objetivo de combater organização criminosa hacker, especializada na invasão de sistemas informatizados de órgãos públicos, para acesso indevido de dados privados de servidores e autoridades públicas, a Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta sexta-feira (26), a operação Capture The Flag. A ação nos estados do Rio Grande do Sul e Ceará, conta com a participação de 20 policiais federais, que dão cumprimento a três mandados judiciais de busca e apreensão.
Com o objetivo de combater organização criminosa hacker, especializada na invasão de sistemas informatizados de órgãos públicos, para acesso indevido de dados privados de servidores e autoridades públicas, a Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta sexta-feira (26), a operação Capture The Flag. A ação nos estados do Rio Grande do Sul e Ceará, conta com a participação de 20 policiais federais, que dão cumprimento a três mandados judiciais de busca e apreensão.
Segundo as investigações, integrantes do grupo investigado obtiveram e expuseram de forma ilícita dados pessoais de mais de 200 mil servidores e autoridades públicas, com o objetivo de intimidar e constranger tanto as instituições quanto as vítimas que tiveram seus dados e intimidade expostos.
A organização teria invadido sistemas de universidades federais, prefeituras e câmaras de vereadores municipais nos estados do Rio de Janeiro, Paraná, Goiás e Rio Grande do Sul, de um governo estadual e diversos outros órgãos públicos. Somente no Rio Grande do Sul, foram mais de 90 instituições invadidas pelos hackers.
A PF afirma ainda que há indícios da prática de outros crimes cibernéticos por parte da organização criminosa, como compras fraudulentas pela internet e fraudes bancárias.A investigação se concentra na apuração dos crimes de invasão de dispositivo informático, corrupção de menores, estelionato e organização criminosa.
O nome da Operação - Capture The Flag – foi inspirado nas competições na área de pentest (testes de invasão) onde os participantes precisam encontrar vulnerabilidades em sistemas e redes de comunicação. As vulnerabilidades são as “bandeiras” que os participantes precisam capturar.
Comentários