Porto Alegre, quinta-feira, 25 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 25 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

educação

25/06/2020 - 16h02min. Alterada em 25/06 às 16h08min

Eduardo Leite diz que volta às aulas no Rio Grande do Sul deve ficar para agosto

Governo ouvirá entidades públicas e privadas para organizar a volta das aulas presenciais

Governo ouvirá entidades públicas e privadas para organizar a volta das aulas presenciais


CLAITON DORNELLES /JC
Fernanda Crancio
A volta às aulas no Rio Grande do Sul deve ficar para o mês de agosto. Nesta quinta-feira (25), durante live, o governador Eduardo Leite anunciou que lançará na semana que vem uma consulta pública digital para receber sugestões de cerca de 3 mil entidades públicas e privadas e órgãos da educação e da assistência social sobre a melhor forma e etapas de estruturar esse processo e definir quais os níveis que deverão retornar primeiro às atividades.
A volta às aulas no Rio Grande do Sul deve ficar para o mês de agosto. Nesta quinta-feira (25), durante live, o governador Eduardo Leite anunciou que lançará na semana que vem uma consulta pública digital para receber sugestões de cerca de 3 mil entidades públicas e privadas e órgãos da educação e da assistência social sobre a melhor forma e etapas de estruturar esse processo e definir quais os níveis que deverão retornar primeiro às atividades.
 
Na segunda-feira (22), o chefe do Executivo tinha sinalizado a possibilidade de liberar as atividades educacionais a partir da segunda quinzena de julho, mas o aumento dos números de casos e da demanda por hospitalizações por Covid-19 no Estado, especialmente na Região Metropolitana de Porto Alegre, fez o governo retroceder na decisão.
Pesou ainda o fato de o mês de julho ser o de frio mais intenso e culminar com o aumento de casos de síndromes respiratórias comuns no inverno. "Nós projetávamos originalmente o retorno para início de julho e isso não acontecerá. Há ainda, remotamente, uma possibilidade de retorno para a segunda quinzena (de julho), mas o mais provável é o retorno para agosto, e por etapas. Queremos saber a melhor forma, se é começando pela Educação Infantil, pelo Ensino Médio ou por outra etapa de ensino, para que a gente possa tomar a melhor decisão, ouvindo a todos", explicou Leite.
Segundo ele, esse esforço será feito para permitir a tomada de uma decisão mais acertada e para que o retorno às aulas possa ser organizado de acordo com as atuais condições de enfrentamento ao coronavírus no Estado.
Comentários