Porto Alegre, terça-feira, 23 de junho de 2020.
Dia Nacional do Agente Marítimo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 23 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Meio ambiente

23/06/2020 - 12h30min. Alterada em 23/06 às 15h45min

Covid-19 faz setor de reciclagem parar atividades e operação cai abaixo da metade

Maioria das companhias do ramo tiveram que paralisar parte das suas atividades

Maioria das companhias do ramo tiveram que paralisar parte das suas atividades


MARCELO G. RIBEIRO/arquivo/JC
As empresas do setor de reciclagem de materiais têm sido muito afetadas pela pandemia do novo coronavírus. A maioria das mais de 5,5 mil companhias do ramo de processamento e venda de sucata de ferro e aço tiveram que paralisar parte das suas atividades por conta da forte redução na coleta seletiva, do trabalho do catador e na demanda das usinas siderúrgicas, que usam a sucata na produção de aço.
As empresas do setor de reciclagem de materiais têm sido muito afetadas pela pandemia do novo coronavírus. A maioria das mais de 5,5 mil companhias do ramo de processamento e venda de sucata de ferro e aço tiveram que paralisar parte das suas atividades por conta da forte redução na coleta seletiva, do trabalho do catador e na demanda das usinas siderúrgicas, que usam a sucata na produção de aço.
Segundo Clineu Alvarenga, presidente do Instituto Nacional das Empresas de Sucata de Ferro e Aço (Inesfa), a sucata coletada e processada já chegou a cerca de 830 mil toneladas ao mês e hoje está em menos da metade.
Alvarenga ainda lembra que a queda na operação dessas empresas também afeta o meio ambiente e provoca a criação de focos transmissores de doenças como a própria covid-19, dengue, chikungunya, zika e febre amarela. "Quanto mais longo o período de exposição dos materiais recicláveis na natureza, maiores os riscos de contaminação", afirma.
Composto em sua maioria por pequenas e médias empresas, o setor de reciclagem não tem conseguido se sustentar durante a crise, e a maior parte dos cerca de 1 milhão dos catadores de materiais recicláveis não tiveram acesso ao auxílio emergencial de R$ 600 disponibilizado pelo governo federal, conforme diz o presidente da Associação Nacional dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (Ancat) e representante do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR), Roberto Laureano da Rocha.
Para seguir com as atividades durante a pandemia, a Ancat enviou um manifesto à Presidência da República pedindo que a função de catador de recicláveis seja reconhecida como essencial. O documento foi assinado por associações de catadores, deputados federais e entidades representativas de segmentos da indústria e comércio. Apesar do manifesto, o pedido não foi atendido pelo governo federal.
Rocha reclama da falta de diálogo do Executivo com representantes da classe. "Atualmente não temos nenhum acesso ao governo federal. Os programas que existiam voltados aos catadores foram cortados na atual gestão", afirma Rocha. Ele acrescenta que "a paralisação dos catadores durante a pandemia afetou diretamente a cadeia de reciclagem".
Comentários