Porto Alegre, quinta-feira, 18 de junho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 18 de junho de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

SAÚDE

18/06/2020 - 16h13min. Alterada em 18/06 às 16h22min

Governo gaúcho distribui 130 respiradores e confirma R$ 92,9 milhões para hospitais

Respiradores serão destinados às UTIs de 38 hospitais do Rio Grande do Sul

Respiradores serão destinados às UTIs de 38 hospitais do Rio Grande do Sul


FELIPE DALLA VALLE/PALÁCIO PIRATINI/DIVULGAÇÃO/JC
Fernanda Crancio
Os 130 respiradores liberados pelo Ministério da Saúde para o Rio Grande do Sul na semana passada começaram a ser distribuídos aos hospitais do Estado nesta quinta-feira (18). Segundo o governador Eduardo Leite, os equipamentos serão destinados a 38 hospitais da Região Metropolitana de Porto Alegre e do Interior (veja a lista completa de distribuição por municípios). Serão encaminhados 35 respiradores de transporte e 65 beira-leito para essas instituições, além de 30 diretamente para o atendimento de pacientes em tratamento na capital gaúcha.
Os 130 respiradores liberados pelo Ministério da Saúde para o Rio Grande do Sul na semana passada começaram a ser distribuídos aos hospitais do Estado nesta quinta-feira (18). Segundo o governador Eduardo Leite, os equipamentos serão destinados a 38 hospitais da Região Metropolitana de Porto Alegre e do Interior (veja a lista completa de distribuição por municípios). Serão encaminhados 35 respiradores de transporte e 65 beira-leito para essas instituições, além de 30 diretamente para o atendimento de pacientes em tratamento na capital gaúcha.
Fundamentais no tratamento de pacientes graves de Covid-19, os equipamentos ajudam os doentes a respirarem sozinhos e são, segundo o governador, recursos importantes de apoio do governo federal para garantir o atendimento e reforçar a rede hospitalar do Estado. A secretária da Sáude, Arita Bergmann, reforçou que a demanda pelos aparelhos é grande na rede de atendimento e que a equipe da pasta contatou os hospitais e realizou um mapeamento dos que já tinham leitos e monitores disponíveis, para pronta instalação dos respiradores.
Além dos aparelhos, Leite comemorou o recebimento de diversos equipamento de proteção individal (EPIs) de doação do Projeto Todos pela Saúde, comandado pela iniciativa privada. Por meio da ação, o governo receberá 19 carretas com materiais como respiradores (5), luvas ( 290 mil pares), máscaras (87 mil), tocas (270 mil), além de face shields e óculos de proteção para uso nas ações de enfrentamento à pandemia. Os respiradores irão para hospital de São Jerônimo e os demais materiais serão distribuídos pelo Estado.
Outro importante anúncio na área da saúde foi a contratualização, na quarta-feira (17), de R$ 92,9 milhões em recursos emergenciais a hospitais filantrópicos e santas casas. O valor refere-se à segunda parcela de repasses do Ministério da Saúde. O valor será dividido entre 158 hospitais sob gestão do governo do Estado que mantêm atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Ainda está previsto repasse de R$ 82,6 milhões a 77 hospitais filantrópicos gaúchos que estão sob gestão de municípios.
Segundo a secretária Arita, o repasse é fundamental para a rede estadual de saúde ter condições de atendimento e foi obtido em tempo recorde, 10 dias, por meio de convênio coletivo. "Os recursos são fundamentais para que os hospitais mantenham as portas abertas, suas esquipes trabalhando e atendam aos cidadãos", destacou.
Os critérios de distribuição dos recursos seguiram os dados epidemiológicos do avanço da doença no Estado, número de leitos de cada hospital filantrópico e os valores dos serviços ambulatoriais e hospitalares de média e alta complexidade, priorizando também as instituições que ficaram de fora do repasse da primeira parcela dos recursos. A verba poderá ser aplicada na compra de medicamentos, suprimentos, insumos, produtos e equipamentos hospitalares, bem como em pequenas reformas e adaptações nas UTIs.
Comentários