Porto Alegre, quinta-feira, 14 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 14 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

São Paulo

Alterada em 14/05 às 08h35min

Bruno Covas é hospitalizado depois de reclamar de dores abdominais

Prefeito da capital paulista precisou ser hospitalizado na quarta-feira

Prefeito da capital paulista precisou ser hospitalizado na quarta-feira


Rovena Rosa/ Agência Brasil/ JC
Folhapress
O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), precisou ser hospitalizado nessa quarta-feira (13), em São Paulo. Ele sentia dores abdominais desde terça e foi ao Sírio-Libanês para uma avaliação clínica, que apontou colite, uma inflamação no cólon, parte central do intestino grosso.
O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), precisou ser hospitalizado nessa quarta-feira (13), em São Paulo. Ele sentia dores abdominais desde terça e foi ao Sírio-Libanês para uma avaliação clínica, que apontou colite, uma inflamação no cólon, parte central do intestino grosso.
Foi isso o que indicaram os exames iniciais, de acordo com o boletim médico divulgado pelo hospital. "O paciente encontra-se clinicamente muito bem, em observação médica enquanto aguarda a conclusão de exames complementares", diz o texto.
Covas, 40 anos, está em tratamento para conter um câncer no sistema digestivo, entre o esôfago e o estômago, descoberto no passado. Ele é acompanhado pelas equipes médicas coordenadas por David Uip, Roberto Kalil Filho, Artur Katz e Tulio Eduardo Flesch Pfiffer.
Apesar dos problemas, o prefeito continua exercendo sua atividade. Em entrevista recente à Folha, ele afirmou que as dificuldades enfrentadas por São Paulo na pandemia do novo coronavírus não têm impedido suas sessões de imunoterapia.
"Continuo indo. As oito sessões de quimioterapia fizeram sumir dois dos três tumores. Um permaneceu, mudei o tratamento. Depois de três sessões, fiz uma nova bateria de exames e uma quarta sessão. Ela não tem a rapidez da quimioterapia, mas os médicos ficaram muito contentes com o resultado", afirmou.
Comentários