Porto Alegre, segunda-feira, 09 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Santa Maria

09/03/2020 - 20h15min. Alterada em 09/03 às 20h15min

MP-RS recorre para que ocorra julgamento único de réus da Kiss

Segundo Dornelles, a realização de júris em locais separados pode gerar nulidade do processo

Segundo Dornelles, a realização de júris em locais separados pode gerar nulidade do processo


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) ingressou, nesta segunda-feira (9), com pedido de desaforamento do julgamento do réu Luciano Bonilha Leão para Porto Alegre, cujo júri está marcado para ocorrer na próxima segunda-feira (16), em Santa Maria. Leão é o único dos réus da tragédia da Boate Kiss que tem julgamento marcado para Santa Maria. Os outros serão julgados em Porto Alegre.
O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) ingressou, nesta segunda-feira (9), com pedido de desaforamento do julgamento do réu Luciano Bonilha Leão para Porto Alegre, cujo júri está marcado para ocorrer na próxima segunda-feira (16), em Santa Maria. Leão é o único dos réus da tragédia da Boate Kiss que tem julgamento marcado para Santa Maria. Os outros serão julgados em Porto Alegre.
Com a última decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que negou efeito suspensivo aos desaforamentos de Elissandro Spohr, Mauro Hoffmann e Marcelo de Jesus, o MP-RS deixou de pedir que esses réus sejam julgados na cidade onde ocorreu a tragédia e passou a exigir que o julgamento de Leão também mude de local.
“Buscamos, desde o início do processo, um julgamento único e em Santa Maria, e fomos ao limite das possibilidades perante o Judiciário”, afirma o subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Institucionais, Marcelo Dornelles. Segundo ele, a realização de júris em locais separados pode gerar nulidade do processo. A decisão do MP-RS sobre o pedido de desaforamento foi compartilhada com a associação das famílias das vítimas da tragédia. O recurso é assinado pelos promotores de Justiça designados para o júri do caso, Lúcia Helena Callegari e David Medina da Silva.