Porto Alegre, sexta-feira, 06 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

SAÚDE

06/03/2020 - 17h52min. Alterada em 06/03 às 17h52min

SUS vai oferecer exame para toxoplasmose a recém-nascidos

Cerca de 40% dos fetos de mães que adquiriram a doença durante a gestação são infectados

Cerca de 40% dos fetos de mães que adquiriram a doença durante a gestação são infectados


FLAVIA DE QUADROS/ARQUIVO/JC
O Sistema Único de Saúde (SUS) vai começar a realizar, nos próximos meses, testes para avaliar a existência de toxoplasmose em recém-nascidos. A análise será feita na ocasião do chamado teste do pezinho, que é feito em crianças após o parto. As unidades de saúde públicas terão até seis meses para se adequar à determinação e passar a oferecer o procedimento.
O Sistema Único de Saúde (SUS) vai começar a realizar, nos próximos meses, testes para avaliar a existência de toxoplasmose em recém-nascidos. A análise será feita na ocasião do chamado teste do pezinho, que é feito em crianças após o parto. As unidades de saúde públicas terão até seis meses para se adequar à determinação e passar a oferecer o procedimento.
A toxoplasmose é causada por um protozoário e pode apresentar quadro clínico variado - desde infecção assintomática a manifestações sistêmicas extremamente graves.
De acordo com o Ministério da Saúde, as vítimas da enfermidade podem sofrer diferentes sintomas. Nos estágios mais leves, gripe e dores musculares fazem parte do quadro clínico. Já nos estágios mais avançados, a doença pode gerar problemas de visão e cerebrais, como de coordenação motora. A cura é possível na fase aguda da infecção, mas o parasita permanece no corpo do infectado durante o restante da vida e pode se manifestar novamente.
A infecção em humanos ocorre por três vias: infecção transplacentária durante a gravidez, contato direto com solo, areia e latas de lixo contaminados com fezes de gatos infectados; ingestão de carne crua ou mal cozida infectada (sobretudo carne de porco e de carneiro).
Conforme o Ministério da Saúde, o índice de incidência da doença é de entre 5 e 22 bebês a cada 10 mil nascimentos. Segundo a pasta, cerca de 40% dos fetos de mães que adquiriram a doença durante a gestação são infectados. Assim, a orientação do ministério para prevenção da doença é evitar o uso de produtos animais crus ou mal cozidos, eliminar fezes de gatos infectados em lixo seguro, proteger caixas de areia e lavar as mãos após manipular carne crua ou terra contaminada.
O teste do pezinho é ofertado em 22.353 pontos de coleta na rede do SUS. Quem deseja realizá-lo pode procurar a unidade de saúde da família mais próxima. O Ministério da Saúde recomenda, ainda, que o teste seja feito até o quinto dia após o nascimento do bebê.