Porto Alegre, sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Saúde

28/02/2020 - 09h22min. Alterada em 28/02 às 09h22min

Novo coronavírus mata mais que o sarampo, mas menos que o ebola

Nos casos de ebola, taxa de mortalidade é de 51%, contra 3,4% do novo coronavírus

Nos casos de ebola, taxa de mortalidade é de 51%, contra 3,4% do novo coronavírus


PASCAL GUYOT/AFP/JC
A taxa de letalidade do novo coronavírus (Covid-19), ou seja, a quantidade de pessoas mortas em relação ao total de diagnosticadas, é de 3,4%. É uma cifra maior que a do sarampo - 2,2% -, e bem menor que a do ebola - 51%. Em números absolutos, são 2.800 mortes no mundo e quase 83 mil casos tabulados até a noite desta quinta-feira (27).
A taxa de letalidade do novo coronavírus (Covid-19), ou seja, a quantidade de pessoas mortas em relação ao total de diagnosticadas, é de 3,4%. É uma cifra maior que a do sarampo - 2,2% -, e bem menor que a do ebola - 51%. Em números absolutos, são 2.800 mortes no mundo e quase 83 mil casos tabulados até a noite desta quinta-feira (27).
A taxa de letalidade mostra apenas parte do problema, mas é importante do ponto de vista médico – e individual, já que é do interesse do paciente saber o risco ao qual ele está submetido.
A gripe, por exemplo, tem uma taxa de letalidade bem mais baixa, de 0,1%, mas é preciso considerar que o número de infectados é muito maior, de dezenas de milhões de indivíduos. Em 2009, quando se propagou a chamada gripe suína, estima-se que 200 mil pessoas tenham morrido.

Grupos de risco do Covid-19

 

Assim como nos casos da gripe e da Sars (também causada por um coronavírus), o novo coronavírus costuma vitimar pessoas que tenham moléstias como diabetes (quem tem a doença tem 8,1 vezes o risco de morrer em relação a uma pessoa sem problemas crônicos de saúde), hipertensão (6,7), doenças cardiovasculares (11,7) e doenças respiratórias crônicas (7,0).
Além disso, quanto mais velha a pessoa, maior o risco: aquelas com 80 anos ou mais infectadas pelo novo coronavírus têm 6,4 vezes a probabilidade do resto da população de morrer.