Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Fiscalização

Alterada em 18/02 às 11h56min

Operação combate contrabando de cigarros no Rio Grande do Sul

Investigação teve início com a apreensão de 420 mil maços de cigarros no dia 11 de fevereiro

Investigação teve início com a apreensão de 420 mil maços de cigarros no dia 11 de fevereiro


POLÍCIA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (18) a Operação Estrela Cadente, para desarticular organização criminosa envolvida com o contrabando de cigarros no Rio Grande do Sul, especialmente na região da fronteira com o Uruguai.
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (18) a Operação Estrela Cadente, para desarticular organização criminosa envolvida com o contrabando de cigarros no Rio Grande do Sul, especialmente na região da fronteira com o Uruguai.
Policiais federais cumprem três mandados de busca e apreensão em residências e em um estabelecimento comercial em Jaguarão. A Operação conta com o apoio da Brigada Militar.
A investigação teve início com a apreensão de 420 mil maços de cigarros, em 11 de fevereiro, quando cinco homens foram presos em flagrante pela Polícia Federal e pela Brigada Militar em uma estrada vicinal em Jaguarão. A carga era transportada em dois caminhões escoltados por “batedores”. Um integrante do grupo escapou da abordagem. Nesse mesmo dia (11), em Camaquã, a Polícia Civil prendeu um homem em flagrante e apreendeu mais duas cargas de cigarros de origem estrangeira, cinco caminhões, armas e coletes balísticos.
Os investigados na Operação Estrela Cadente são suspeitos de integrarem organização criminosa envolvida com o contrabando de cigarros do Paraguai para o Brasil e de terem facilitado a fuga do criminoso no dia 11 de fevereiro.
A operação foi batizada de “Estrela Cadente” em alusão às perdas sofridas pela organização criminosa em face da intensiva ação policial. O prejuízo estimado causado à organização criminosa nessas ações é de R$ 5 milhões.