Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de fevereiro de 2020.
Aniversário da Casa da Moeda do Brasil.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Gente

11/02/2020 - 12h25min. Alterada em 11/02 às 12h25min

Morte de Ricardo Boechat completa um ano e colegas prestam homenagens

Ricardo Boechat morreu no dia 11 de fevereiro de 2019, aos 66 anos, após queda de helicóptero

Ricardo Boechat morreu no dia 11 de fevereiro de 2019, aos 66 anos, após queda de helicóptero


BAND/DIVULGAÇÃO/JC
Amigos e fãs de Ricardo Boechat prestaram homenagens nesta terça-feira (11) ao jornalista que foi morto há exatamente um ano em um acidente de helicóptero.
Amigos e fãs de Ricardo Boechat prestaram homenagens nesta terça-feira (11) ao jornalista que foi morto há exatamente um ano em um acidente de helicóptero.
"Não me lembro de tamanha catarse desde a morte do Senna, em 1994. Antes, nas ruas. No ano passado, no digital", comentou o também jornalista Marc Tawil. A colega Eliana Michaelichen também escreveu: "Hoje faz um ano que perdemos o jornalista Ricardo Boechat. Um dia triste, mas que também nos faz recordar do seu legado e da importância do exercício do jornalismo com responsabilidade, seriedade e ética".
Veruska Seibel, viúva de Boechat, também usou as redes sociais para relembrar o parceiro. "Um ano sem ele e minha admiração, meu respeito e meu amor só crescem. Melhor pai que eu poderia ter escolhido para as minhas filhas, ser humano mais admirável e generoso que já conheci, jornalista insubstituível, marido que eu amava profundamente. Se me tivesse sido dada a chance de escolher como seriam nossos últimos momentos juntos, eu pediria exatamente do jeito que foi. E a isso serei eternamente grata".
Segunda esposa de Boechat, Veruska estava com o jornalista desde 2005. Com ele, tinha duas filhas: Valentina, 12, e Catarina, 10. O jornalista também é pai de Bia, 40, Rafael, 38, Paula, 36, e Patricia, 29 - frutos do casamento com Claudia Costa de Andrade.
"Meu maior consolo foi eu não o ter deixado. Não há um só dia em que eu não ouça a voz dele me ensinando, me amparando, me dizendo: 'Veruska Seibel (era assim que ele me chamava quando queria falar sério), eu não me preocupo com as meninas quando eu não estiver mais aqui porque você é a melhor mãe que eu já conheci'. Muito obrigada, Ricardo Boechat, por tanto amor e por essas duas princesas que são a razão da minha vida", concluiu Veruska.
Ricardo Boechat morreu no dia 11 de fevereiro de 2019, aos 66 anos, após a queda do helicóptero em que viajava em São Paulo. Um dos mais premiados jornalistas brasileiros, Boechat comandava dois programas diários, A Notícia com Ricardo Boechat, um matinal na rádio BandNews FM, e o Jornal da Band, à noite, na TV Bandeirantes. Ele tinha também uma coluna na revista semanal Istoé.
O jornalista conquistou o Prêmio Esso, o mais prestigioso do país,em três oportunidades, em 1989, 1992 (na categoria Informação Política, com Rodrigo França) e 2001 (na categoria Informação Econômica, com Chico Otávio e Bernardo de la Peña). Ele é também o maior ganhador do Prêmio Comunique-se, troféu que recebeu em três categorias: âncora de rádio, colunista de notícia e âncora de TV.
Filho de um diplomata brasileiro, ele nasceu em 13 de julho de 1952 em Buenos Aires, na Argentina, quando o pai servia o Ministério das Relações Exteriores.Sua mãe é a argentina Mercedes Carrascal, 86, que vive em Niterói desde 1956.
Boechat começou a carreira no jornalismo na década de 1970 como repórter do agora extinto jornal Diário de Notícias. Em 1983, foi para o jornal O Globo e, quatro anos mais tarde, chegou a ocupar a secretaria de Comunicação Social do Rio de Janeiro no governo Moreira Franco (1987-1991). Ele voltou para o jornal carioca em 1989, como editor da coluna Swann, que mais tarde, foi rebatizada com seu nome.
O jornalista passou também pelos jornais O Dia, O Estado de S. Paulo e Jornal do Brasil.
Em 1997, ele passou a ser destaque na rede Globo, no qual fazia um quadro de opinião no matinal Bom Dia Brasil. Já na época, seus comentários rendiam polêmicas. Deixou a Globo em junho de 2001.
Entrou para o Grupo Bandeirantes como diretor de Jornalismo no Rio. Em fevereiro de 2006, mudou-se para São Paulo, para ancorar o Jornal da Band, principal noticiário da emissora. Desempenhava a mesma função no programa diário na rádio BandNews FM, transmitido para todo o Brasil. Assinava ainda uma coluna semanal na revista IstoÉ, com a colaboração de Ronaldo Herdy.
Folhapress
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia