Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saúde

- Publicada em 17h55min, 02/02/2020. Atualizada em 17h55min, 02/02/2020.

Coronavírus: Governo terá apoio do Congresso, diz Alcolumbre

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, se pronunciou neste domingo

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, se pronunciou neste domingo


WALDEMIR BARRETO/AGÊNCIA SENADO/JC
Agência Brasil
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse, neste domingo (2), que se o presidente Jair Bolsonaro decidir trazer os brasileiros que estão na China de volta ao Brasil por causa do coronavírus, "terá total e irrestrito apoio" do Congresso Nacional. "Do Parlamento, nós estamos 100% abertos para o que precisar do Congressso. Eu tenho certeza que a Câmara e o Senado vão trabalhar para agilizar, para se for preciso votar alguma lei em regime de urgência, para se o governo precisar editar uma medida provisória, terá o nosso apoio", afirmou Alcolumbre.
O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse, neste domingo (2), que se o presidente Jair Bolsonaro decidir trazer os brasileiros que estão na China de volta ao Brasil por causa do coronavírus, "terá total e irrestrito apoio" do Congresso Nacional. "Do Parlamento, nós estamos 100% abertos para o que precisar do Congressso. Eu tenho certeza que a Câmara e o Senado vão trabalhar para agilizar, para se for preciso votar alguma lei em regime de urgência, para se o governo precisar editar uma medida provisória, terá o nosso apoio", afirmou Alcolumbre.
O presidente do Senado defendeu que os brasileiros vindos da China poderiam ficar em uma base militar durante o período de quarentena. Na sexta-feira passada (31), o presidente Bolsanaro se reuniu os ministros Henrique Mandetta (Saúde), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria Geral), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Fernando Azevedo (Defesa) para discutir as dificuldades de repatriar os brasileiros que estão na China.
Autoridades sanitárias da China anunciaram, neste domingo, que outras 45 pessoas morreram na província de Hubei, o centro da epidemia de coronavírus. Até o momento, o número total de mortes na China continental chega a 304. No Brasil, de acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Saúde no sábado (1), são 16 casos considerados suspeitos de coronavírus no país.
Os coronavírus são conhecidos desde meados dos anos 1960 e já estiveram associados a outros episódios de alerta internacional nos últimos anos. Em 2002, uma variante gerou um surto de síndrome respiratória aguda grave (Sars) que também teve início na China e atingiu mais de 8 mil pessoas. Em 2012, um novo coronavírus causou uma síndrome respiratória no Oriente Médio que foi chamada de Mers.
A atual transmissão foi identificada em 7 de janeiro. O escritório da Organização Mundial de Saúde (OMS) na China buscava respostas para casos de uma pneumonia de etiologia até então desconhecida que afetava moradores na cidade de Wuhan. No dia 11 de janeiro foi apontado um mercado de frutos do mar como o local de origem da transmissão. O espaço foi fechado pelo governo chinês.
Comentários CORRIGIR TEXTO