Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Segurança Pública

- Publicada em 21h26min, 30/01/2020.

Gastos com segurança pública crescem no Estado

O investimento em 2019 incluiu aquisição de novas viaturas e equipamentos para as forças policiais

O investimento em 2019 incluiu aquisição de novas viaturas e equipamentos para as forças policiais


GUSTAVO MANSUR/PALÁCIO PIRATINI/JC
Juliano Tatsch
O Rio Grande do Sul fechou 2019 com redução em quase todos os índices de violência em relação ao ano anterior, conforme dados divulgados no dia 9 de janeiro. A queda na criminalidade vem na esteira de um significativo aumento nos recursos diretos aplicados na área nos últimos anos, a despeito da crise pela qual passam as contas do Executivo.
O Rio Grande do Sul fechou 2019 com redução em quase todos os índices de violência em relação ao ano anterior, conforme dados divulgados no dia 9 de janeiro. A queda na criminalidade vem na esteira de um significativo aumento nos recursos diretos aplicados na área nos últimos anos, a despeito da crise pela qual passam as contas do Executivo.
Os valores aplicados em qualquer área se dividem em transferências aos municípios, gastos diretos (feitos com recursos próprios e realizados diretamente pelo governo) e transferências intragovernamentais (via de regra, recursos federais repassados).
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/01/30/206x137/1_arte_geral_1-8966443.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e33641585416', 'cd_midia':8966443, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/01/30/arte_geral_1-8966443.jpg', 'ds_midia': ' ', 'ds_midia_credi': ' ', 'ds_midia_titlo': ' ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '212', 'align': 'Left'}
Em 2019, o Estado aplicou na área - somando-se os gastos diretos da Secretaria de Segurança Pública (SSP), da Polícia Civil e da Brigada Militar - R$ 3.484.253.208,33. Os dados constam no Portal da Transparência estadual. A quantia é 8,78% superior à de 2018 - R$ 3.202.888.085,78. Ou seja, de um ano para o outro, o governo gaúcho destinou R$ 281,3 milhões a mais às polícias e à secretaria.
No caso da Polícia Civil, o acréscimo no orçamento de um ano para o outro foi de 10,1%. A Brigada, por sua vez, teve um incremento de 7,2%. Já a SSP teve 13,3% a mais de verbas em 2019 em comparação com 2018.
O vice-governador e secretário estadual de Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, garante a manutenção dos investimentos maiores na área. "Embora todo esse momento de dificuldade financeira, aportamos recursos superiores aos de 2018. Tivemos, em 2019, o ingresso de quase 3 mil novos servidores - 2 mil na Brigada, 412 na Polícia Civil, 370 da Susepe, além de 150 Bombeiros. Tivemos um incremento em diárias e horas extras para Brigada e Civil. Em 2020, isso se manterá e tem de se acentuar", afirma.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/01/30/206x137/1_arte_geral_2-8966444.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e33641585416', 'cd_midia':8966444, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/01/30/arte_geral_2-8966444.jpg', 'ds_midia': ' ', 'ds_midia_credi': ' ', 'ds_midia_titlo': ' ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '503', 'cd_midia_h': '800', 'align': 'Left'}

Integração, inteligência e investimento são tripé para a gestão da área

Vice-governador aponta arrecadação abaixo da esperada pela chamada lei Rouanet da Segurança
Vice-governador aponta arrecadação abaixo da esperada pela chamada lei Rouanet da Segurança
MARIANA CARLESSO/JC
Jornal do Comércio - Quais mudanças nas políticas em 2019 levaram à queda generalizada nos índices de criminalidade?
Ranolfo Vieira Júnior - Segurança Pública é uma das áreas prioritárias do governo. No segundo mês, lançamos um projeto estruturante, o RS Seguro, que tem base em três premissas: integração, inteligência e investimento qualificado. Não tem como fazer segurança pública sem esses três "Is". A integração é fundamental. As instituições têm de conversar, fazer a análise dos dados para planejar suas ações. Integração também com a União. A grande Porto Alegre é cortada por quatro rodovias federais. Então, há a necessidade de conversar com a Polícia Rodoviária Federal e com a Polícia Federal. No caso de integração com os municípios, se pegarmos esse eixo de Porto Alegre a Estância Velha, são 3 milhões de pessoas. Essas cidades dispõem de guarda municipal armada e há a necessidade de conversar com elas.
JC - Essa integração já existia e era menor ou não existia?
Ranolfo - Não é que não existisse. Veio amadurecendo aos poucos. Tivemos, há não muito tempo, disputas de ocorrências quase que a tapa, ou, às vezes, até a tapa. Isso não se admite mais. A integração não pode ser só para a sociedade enxergar. Tem de sentar na mesma mesa e discutir, planejar e executar. Isso é fundamental.
JC - E em relação à inteligência e investimento...
Ranolfo - Não posso pensar em segurança pública só com policial na rua. Tenho de ter análise dos dados. Porque os homicídios estão acontecendo? Onde é a maior incidência de roubo de veículos? Para onde estão indo esses veículos? Esses dados nos dão o fundamento para o planejamento de ações. O terceiro "I" é o do investimento qualificado. Conseguimos adquirir 604 novas viaturas, quase 10 mil coletes balísticos, 350 armas, e estamos monitorando com câmeras 36 municípios. Credito os resultados ao RS Seguro, às três premissas e, por fim - e talvez, o mais importante - à dedicação dos servidores. O Estado, há mais de quatro anos, paga os salários parcelados, e, mesmo assim, os servidores estão, diuturnamente, no combate.
JC - A SSP identificou um foco de atuação?
Ranolfo - O mais importante é reduzir o homicídio, que é o crime que ataca o bem supremo, a vida humana, e é a forma internacional de aferir segurança pública. A segunda é o latrocínio, que, embora seja um crime patrimonial, acaba levando à morte. O terceiro é o roubo de veículos, pois atinge um grande percentual da sociedade e, muitas vezes, é o fato gerador do latrocínio. Além deles, também temos atenção em relação aos ataques a banco, que tivemos uma redução de 42,9%. O roubo a banco, muitas vezes, se dá nessa modalidade de novo cangaço, em que as organizações sitiam pequenas cidades, e essa sensação de insegurança se propaga.
JC - O governo trabalha com metas de redução da violência?
Ranolfo - Reduzimos os homicídios em 24%, com 603 vidas humanas poupadas. Quase 5 mil veículos a menos roubados. Temos números positivos. Mas não estamos satisfeitos. Em 2017, tivemos uma taxa de homicídios de 26,1 por 100 mil pessoas, e chegamos em 2019 em 15,8. Reduzimos, mas estamos longe do que consideramos razoável e do que é apregoado internacionalmente, que seria de até dez homicídios por 100 mil habitantes. Nosso objetivo é se aproximar disso ao final do governo.
JC - Muitas das mortes dizem respeito às facções. O governo tem uma estratégia para isso?
Ranolfo - Dá para dizer que entre 75% e 80% são em disputas do crime organizado. Temos várias estratégias, mas a principal é a desarticulação financeira. No momento em que se toca no bolso da organização, começamos a quebrá-la.
JC - A chamada Lei Rouanet da Segurança, a qual permite a dedução de impostos em troca da doação de equipamentos para a área, entrou em vigor em 2019. Quais os resultados?
Ranolfo - Operacionalizamos essa lei, regulamentamos, conversamos com entes privados, principalmente com o Instituto Cultural Floresta. Ela efetivamente entrou em vigor com aportes de recursos, especialmente de empresas de Erechim e Passo Fundo, mas ficou aquém da expectativa. Tínhamos uma expectativa de, talvez, mais de R$ 100 milhões e ficamos com uma arrecadação abaixo de R$ 10 milhões.
JC - A maioria dos números de violência contra a mulher caíram, mas, o número de estupros aumentou, mesmo que pouco. Como o governo vê isso?
Ranolfo - O feminicídio, em mais de 90% dos casos, nasce elucidado, já se tem a autoria, diferentemente dos outros crimes. Apesar disso, ele nos preocupa, porque não é só ação da polícia. É conscientização, é prevenção, é acolhimento da mulher. É uma política transversal, não só de segurança. Então, por essa transversalidade, leva mais tempo para termos resultados.
Comentários CORRIGIR TEXTO