Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

22/01/2020 - 11h30min. Alterada em 22/01 às 11h33min

Espuma preocupa moradores de cidades às margens do Rio Taquari

As manchas foram encontradas em todo o trajeto vistoriado pela equipe da Fepam

As manchas foram encontradas em todo o trajeto vistoriado pela equipe da Fepam


Diego Hoffmeister/Divulgação/JC
Um efeito inesperado da estiagem pode ser a causa da espuma branca que se espalhou pelo Rio Taquari nos últimos dias, intrigando e preocupando moradores da região. Avistada em pelo menos sete municípios da região desde a última semana, a espuma pode ser resultado do baixo nível do rio.
Um efeito inesperado da estiagem pode ser a causa da espuma branca que se espalhou pelo Rio Taquari nos últimos dias, intrigando e preocupando moradores da região. Avistada em pelo menos sete municípios da região desde a última semana, a espuma pode ser resultado do baixo nível do rio.
Essa é uma das hipóteses de análise preliminar realizada pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) após vistorias e coleta de amostras no rio. O resultado da análise deve ser divulgado até o final desta semana.
Na sexta-feira passada (17), uma equipe fez um sobrevoo em um helicóptero do Comando Aéreo da Brigada Militar pela parte média do Rio Taquari e seguiu seu curso por cerca de 80 quilômetros em busca da origem da espuma.
Em todo o trajeto, desde Roca Sales e Encantado, no Vale do Taquari, até a divisa entre Bento Gonçalves e Cotiporã, na Serra, foram encontradas manchas, porém sem registro de mortandade de peixes. A análise preliminar da Fepam não aponta para substância tóxica ou lançamento clandestino. Uma das hipóteses para o surgimento da espuma é o baixo nível do rio devido à estiagem.
“A falta de chuvas faz com que os rios operem em capacidade reduzida, acumulando substâncias”, explica o biólogo e analista ambiental da Fepam, Diego Hoffmeister.
A suspeita é de que a espuma tenha aparecido no rio entre os dias 11 e 12 de janeiro. Os técnicos aguardam o resultado da análise das amostras para definir as próximas ações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia