Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Transportes

Edição impressa de 16/01/2020. Alterada em 16/01 às 03h29min

Catamarã para Barra do Ribeiro ainda não tem data para entrar em funcionamento

Navegação partindo de Porto Alegre depende de dragagem, mas equipamento está estragado

Navegação partindo de Porto Alegre depende de dragagem, mas equipamento está estragado


NÍCOLAS CHIDEM/JC
Gabriela Porto Alegre
Promessa de governos estaduais, a travessia de Catamarã de Porto Alegre a Barra do Ribeiro vai, mais uma vez, atrasar. O motivo é que o equipamento que realizaria a dragagem do canal de acesso ao antigo atracadouro Engenho Santo Antônio, em Barra do Ribeiro, responsável pelo desassoreamento do local, estragou.
Promessa de governos estaduais, a travessia de Catamarã de Porto Alegre a Barra do Ribeiro vai, mais uma vez, atrasar. O motivo é que o equipamento que realizaria a dragagem do canal de acesso ao antigo atracadouro Engenho Santo Antônio, em Barra do Ribeiro, responsável pelo desassoreamento do local, estragou.
O projeto, que vem sendo discutido desde 2017, estava previsto para sair do papel no final do ano passado. Em outubro, o governador Eduardo Leite solicitou à Secretaria de Logística e Transportes que avaliasse a possibilidade de dragagem do canal. O secretário da pasta, Juvir Costella, afirmou que o processo poderia ser realizado em um curto prazo - até o final de 2019 -, com draga de propriedade do Estado. À época, o prefeito de Barra do Ribeiro, Jair Machado, se propôs a dividir os custos do procedimento, já que a iniciativa representava uma forma de fomentar o turismo na região. No final de novembro, a estimativa da secretaria era de que o processo de desassoreamento do local ocorresse em até 15 dias, mas não andou.
Em nota, a pasta informou que espera que até março o equipamento seja consertado para poder dar continuidade ao processo. "A draga que fará o desassoreamento em Barra do Ribeiro está com um defeito no sistema hidráulico e precisará passar por um conserto. Dentro dos ritos exigidos pelo Estado, estão sendo providenciados três orçamentos para viabilizar o serviço. A estimativa é de que o conserto custe menos de R$ 30 mil, o que dispensaria a realização de licitação. Uma vez confirmada essa dispensa, espera-se ter a draga em condições de funcionamento durante o mês de março".
O projeto, que seria realizado a partir de uma parceria público-privada, previa também a revitalização do atracadouro, processo que começou em 2018, mas não terminou. A implantação do transporte hidroviário previa a recuperação das instalações físicas do prédio do Engenho Santo Antônio, a criação de uma escola com cursos profissionalizantes, centro de eventos, teatro, comércio, escritórios, atelier, museu e um deck. O trajeto entre Porto Alegre e Barra do Ribeiro está estimado em 50 minutos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia