Porto Alegre, domingo, 27 de setembro de 2020.
Dia Mundial do Turismo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 27 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Patrimônio

- Publicada em 20h21min, 14/01/2020. Atualizada em 10h11min, 15/01/2020.

Edital de concessão do Mercado Público deve ser lançado ainda neste trimestre

Modelo colocado em consulta pública previa 25 anos de contrato e investimento de R$ 85 milhões

Modelo colocado em consulta pública previa 25 anos de contrato e investimento de R$ 85 milhões


MARCO QUINTANA/JC
Gabriela Porto Alegre
Atrasado desde dezembro, o edital de concessão do Mercado Público de Porto Alegre deverá ser lançado, segundo o secretário municipal de Parcerias Estratégicas, Thiago Ribeiro, até o final do primeiro trimestre. Ano passado, a estimativa da prefeitura era de que o edital fosse tornado público em dezembro, para que em fevereiro as propostas fossem recebidas e, no mês de maio, fosse assinado o contrato com o parceiro privado.
Atrasado desde dezembro, o edital de concessão do Mercado Público de Porto Alegre deverá ser lançado, segundo o secretário municipal de Parcerias Estratégicas, Thiago Ribeiro, até o final do primeiro trimestre. Ano passado, a estimativa da prefeitura era de que o edital fosse tornado público em dezembro, para que em fevereiro as propostas fossem recebidas e, no mês de maio, fosse assinado o contrato com o parceiro privado.
Conforme o secretário, a pasta vem trabalhando a fim de concluir a documentação necessária para que os trâmites tenham seguimento. "Estamos trabalhando na finalização dos documentos do edital, minuta do edital, minuta de contrato e todos os encargos da concessionária, já considerando algumas contribuições da consulta pública. Agora, a nossa expectativa é que entre fevereiro e março se consiga publicar o edital para que ele percorra o caminho de recebimento de propostas, classificação das candidaturas e assinatura posterior do contrato", afirmou.
O modelo colocado em consulta pública no último ano, previa o prazo de 25 anos de contrato, com um investimento na casa dos R$ 85 milhões e outorga mínima de R$ 28,1 milhões. Só nos primeiros três anos, a estimativa era de que R$ 41,5 milhões fossem investidos para melhorias de drenagem, sanitários e fachadas, além da iluminação interna e cênica externa, troca de rede elétrica e acessibilidade. O restante, R$ 43,5 milhões, estava previsto para ser aplicado na gestão e manutenção do local.
Comentários CORRIGIR TEXTO