Porto Alegre, domingo, 27 de setembro de 2020.
Dia Mundial do Turismo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 27 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Urbanismo

- Publicada em 20h11min, 14/01/2020. Atualizada em 18h57min, 24/08/2020.

Prefeitura lança edital para o trecho 2 da orla do Guaíba

Trecho 2 da Orla vai da Rótula das Cuias até o Anfiteatro Pôr-do-Sol

Trecho 2 da Orla vai da Rótula das Cuias até o Anfiteatro Pôr-do-Sol


NÍCOLAS CHIDEM/JC
Gabriela Porto Alegre
Com o objetivo de tornar a orla do Guaíba um espaço turístico com mais opções de lazer à população, a prefeitura de Porto Alegre lançou ontem, no Paço Municipal, o edital de concessão do trecho 2 da orla - entre a Rótula das Cuias e o Anfiteatro Pôr-do-Sol -, que estará aberto até 20 de março.
Com o objetivo de tornar a orla do Guaíba um espaço turístico com mais opções de lazer à população, a prefeitura de Porto Alegre lançou ontem, no Paço Municipal, o edital de concessão do trecho 2 da orla - entre a Rótula das Cuias e o Anfiteatro Pôr-do-Sol -, que estará aberto até 20 de março.
As principais intervenções para a área de aproximadamente 135 mil metros quadrados preveem a construção de uma roda gigante e melhorias na infraestrutura do espaço. O contrato, com duração prevista de 35 anos, tem investimento estimado em R$ 512 milhões, sendo que, inicialmente, serão aplicados R$ 70,5 milhões.
Conforme o prefeito Nelson Marchezan Júnior, o edital do trecho 2 conta com uma visão diferenciada dos demais, já que a qualificação não será realizada com recursos próprios, nem com financiamentos. "Todos os investimentos necessários serão realizados com recursos privados. A construção da roda-gigante, por exemplo, além de ser um atrativo turístico, será também uma referência para o Rio Grande do Sul, para o Brasil e, quem sabe, até para a América do Sul", afirmou.
Entre os pontos em destaque, o edital traz maior clareza quanto à realização de eventos fechados no espaço, restrições quanto à utilização do Anfiteatro Pôr-do-Sol por fins de semana consecutivos, possibilidade de uso pela prefeitura de até 15 dias ao ano para a realização de eventos públicos e gratuitos, além da expansão da área de água em até 50% para maximizar a possibilidade de atividades náuticas. O projeto de construção da roda-gigante, com investimento estimado em R$ 45 milhões, deverá ter altura mínima de 80 metros e cabines panorâmicas com capacidade para, no mínimo, seis pessoas.
Para o secretário municipal de Parcerias Estratégicas (Smpe), Thiago Ribeiro, a iniciativa promove uma série de desdobramentos positivos de requalificação para a orla. "A nossa ideia é fazer diferente, é mudar a forma como Porto Alegre se coloca diante das outras cidades", argumentou.
Como intervenções, o edital prevê que o projeto tenha a continuidade da calçada e da ciclovia interligando todos os trechos da orla e, no mínimo, 2,1 mil metros quadrados de decks, distribuídos em ao menos três pontos e três passarelas (com conexão ao trecho 3). Ainda, estão previstos parque infantil, cachorródromo, teatro para pequenos eventos, apoio náutico e trapiche de, no mínimo, 70 metros de extensão, estacionamento com, no mínimo, 150 vagas, mobiliário urbano, iluminação, sinalização, centro de apoio ao usuário e sanitários.
Dentre as obrigações previstas, o concessionário não poderá cobrar ingresso em áreas públicas do parque, apenas em equipamentos específicos, como a roda-gigante. Ainda, deve prezar pela inclusão e sustentabilidade do local, não perdendo o foco também nos usuários. "Esse é um edital consolidado com uma visão de orla e com uma visão de cidade. Porto Alegre terá um motivo para as pessoas virem para cá. Um motivo que não é gastronomia ou um evento único", ressaltou Marchezan.
De acordo com Ribeiro, as obras de revitalização do parque urbano deverão estar totalmente concluídas em 24 meses após a assinatura do contrato. Já para a construção da roda-gigante, o prazo estipulado é de 36 meses. "A gente acredita que o principal para a população, em termos de necessidade mesmo, é ter o parque urbano do trecho 2 pronto".
Comentários CORRIGIR TEXTO