Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Protestos

17/12/2019 - 11h27min. Alterada em 17/12 às 12h16min

Professores do CPERS começam acampamento de protestos na Praça da Matriz

Manifestantes devem ficar no local até a próxima quinta-feira

Manifestantes devem ficar no local até a próxima quinta-feira


LUIZA PRADO/JC
Fernanda Soprana
Professores da rede estadual iniciaram três dias de manifestações em frente à Praça da Matriz na manhã desta terça-feira (17). Servidores de todo o Estado ficarão acampados na capital gaúcha para protestar contra o pacote do funcionalismo do governador Eduardo Leite. A expectativa é de que o ato reúna aproximadamente 10 mil pessoas até esta tarde.
Professores da rede estadual iniciaram três dias de manifestações em frente à Praça da Matriz na manhã desta terça-feira (17). Servidores de todo o Estado ficarão acampados na capital gaúcha para protestar contra o pacote do funcionalismo do governador Eduardo Leite. A expectativa é de que o ato reúna aproximadamente 10 mil pessoas até esta tarde.
Apesar do governador do Estado Eduardo Leite ter adiado a votação das medidas para janeiro de 2020, o Cpers-Sindicato convocou uma paralisação geral nas escolas e uma programação de manifestações na Praça da Matriz. Os manifestantes devem ficar reunidos na Praça da Matriz até a próxima quinta-feira (19), segundo a programação do Cpers. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
De acordo com a presidente do Cpers, Helenir Aguiar Schürer, a meta é a retirada do pacote. “Nós temos hoje a votação da Previdência, o que nos interessa. Depois dos votos, definiremos em assembleia os rumos do movimento”, afirma. A partir das 14h, a Assembleia Legislativa começa a votar o Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 503/2019, sobre a Previdência dos servidores civis. Uma assembleia do Cpers está prevista para às 14h.
Segundo Helenir, 140 ônibus, além de 30 micro-ônibus e vans, vieram do interior do Rio Grande do Sul para trazer os servidores. Uma breve chuva, em torno das 9h30min, não desanimou os manifestantes. Em cartazes e coros, a frase "Retira!" se repete. 
Três marchas começaram às 8h em pontos diferentes de Porto Alegre, gerando lentidão no trânsito. A maior concentração teve início na avenida Alberto Bins, na sede do Cpers-Sindicato, entidade organizadora da paralisação. Segundo a presidente do Cpers Helenir Aguiar Schürer, em torno de 3 mil pessoas passaram pela avenida Senador Salgado Filho e pela rua Jerônimo Coelho, em direção ao Palácio Piratini.
A segunda marcha reuniu 1.500 pessoas e partiu do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (IPERGS), na avenida Borges de Medeiros. A terceira, que segundo a Empresa Pública de Transporte e Circulação de Porto Alegre (EPTC) era composta por 800 pessoas, partiu do Colégio Estadual Júlio de Castilhos, passando pela avenida João Pessoa, a avenida Senador Salgado Filho e a rua Jerônimo Coelho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia