Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de dezembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

investigação

Alterada em 06/12 às 09h46min

Operação investiga descarte ilegal de óleo lubrificante no RS e em outros 9 estados

Mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em Alvorada, Cachoeirinha, Canoas e Gravataí

Mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em Alvorada, Cachoeirinha, Canoas e Gravataí


MPRS/DIVULGAÇÃO/JC
O Rio Grande do Sul e outros 9 estados foram alvos de ação nesta sexta-feira (6) que investiga irregularidades no armazenamento e no descarte ilegal de óleo lubrificante. No Estado, são cumpridos sete mandados de busca e apreensão em Alvorada, Cachoeirinha, Canoas e Gravataí.
O Rio Grande do Sul e outros 9 estados foram alvos de ação nesta sexta-feira (6) que investiga irregularidades no armazenamento e no descarte ilegal de óleo lubrificante. No Estado, são cumpridos sete mandados de busca e apreensão em Alvorada, Cachoeirinha, Canoas e Gravataí.
As ofensivas ocorrem também em Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Santa Catarina, São Paulo e Paraná.
Somente no Rio Grande do Sul, foram consumidos 55 milhões de litros de óleo lubrificante entre janeiro e julho deste ano, sendo que 13 milhões foram destinados de forma incorreta, sem a logística reversa prevista em lei.
O óleo lubrificante usado e contaminado é um componente químico classificado como resíduo perigoso pela Associação Brasileira de Normas Técnicas, altamente poluente. Um litro da substância é capaz de contaminar um milhão de litros de água, além de ser nocivo ao meio ambiente e à saúde humana. Parte desse material é coletada, transportada, armazenada e destinada por empresas clandestinas, alvos principais da operação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia