Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de dezembro de 2019.
Dia Internacional dos Voluntários.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Protestos

05/12/2019 - 15h27min. Alterada em 05/12 às 16h33min

Servidores de categorias militares e esposas protestam contra pacote de Leite

Servidores protestam contra propostas que mexem em salários, previdência e tempo de serviço

Servidores protestam contra propostas que mexem em salários, previdência e tempo de serviço


LUIZA PRADO/JC
Fernanda Soprana
Atualizada às 16h30min
Atualizada às 16h30min
Mais de 10 mil pessoas, entre servidores de categorias militares gaúchas e familiares, segundo as entidades dos manifestantes, participaram de mobilização conjunta contra o pacote de reforma das carreiras do funcionalismo proposto pelo governador Eduardo Leite, na manhã desta quinta-feira (5). Assembleia geral ocorreu durante a tarde na concentração em frente ao Palácio Piratini ara avaliar proposta de paralisação.
Os servidores fizeram passeata por avenidas próximas ao Centro pela manhã, em direção à Praça Brigadeiro Sampaio, localizada em frente ao Gasômetro, em Porto Alegre, de onde as categorias saíram rumo ao Piratini. O percurso seguiu pela avenida Borges de Medeiros, o que gerou mais lentidão no trânsito.   
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
O presidente estadual da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar (ASSTBM), Aparício Costa Santellano, informou que o número de participantes aumentou à medida que a caminhada acontecia.
O coordenador geral adjunto da Associação de Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul (ABERGS), tenente-coronel Ederson Carlos Franco da Silva, diz que os servidores são contrários às medidas do governador, principalmente aquelas que mudam regras sobre a composição da remuneração, gerando redução dos vencimentos, aumentam a alíquota da previdência para faixas mais elevadas e alteram o tempo de serviço.
“Percebemos que há condição de conversa, mas o governador exclusivamente encaminhou o pacote de medidas. As propostas do governo são inconstitucionais e quem vai sofrer as consequências é a população”, afirmou Silva.
O protesto reuniu categorias ligadas a seis entidades - Associação Beneficente Antônio Mendes Filho (ABAMF), Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar (ASSTBM), Associação de Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul (ABERGS), Associação dos Oficiais Estaduais do Rio Grande do Sul (AOFERGS) e Associação Recreativa Cultural e Beneficente das Esposas dos Policiais Militares e Policiais Femininas do Nível Médio do Rio Grande do Sul (AESPPOM/RS).
O presidente estadual da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar (ASSTBM), Aparício Costa Santellano, não descarta a possibilidade de paralisação. "Tudo dependerá do governo. Vamos deliberar em frente ao palácio", projetou Santellano.
Por lei, a Brigada Militar é o único órgão que não pode realizar uma paralisação, que poderia ser convocada pela Associação Recreativa Cultural e Beneficente das Esposas dos Policiais Militares e Policiais Femininas do Nível Médio do Rio Grande do Sul (AESPPOM/RS). Esposas de policiais bloquearam entradas de quartéis em 2015 em protesto ao parcelamento de salários que foi instaurado pelo ex-governador José Ivo Sartori. Já são mais de 46 meses de parcelamentos.
“Estamos dispostas a fazer isso de novo. Temos coragem para ir ao extremo para defender nossa família”, afirmou a presidente da entidade, Claudete Valau.
Já estão em greve as categorias como a dos professores.   
O governo criou um hotsite para apresentar as mudanças provocadas pelos projetos. Já o Movimento Unificado dos Servidores do Estado (MUS), que congrega mais de 80 sindicatos do funcionalismo, apresentou um estudo sobre o impacto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que modifica várias regras do funcionalismo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia