Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de dezembro de 2019.
Dia Mundial da Propaganda.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

investigação

04/12/2019 - 08h55min. Alterada em 04/12 às 17h01min

Distribuidora de medicamentos é investigada por sonegar R$ 150 milhões em ICMS

Operação cumpriu oito mandados em residências na Capital e outros seis em empresas em Canoas

Operação cumpriu oito mandados em residências na Capital e outros seis em empresas em Canoas


MP-RS/DIVULGAÇÃO/JC
Bruna Oliveira
Atualizado às 12h15min
Atualizado às 12h15min
O grupo Maiora Distribuição, que atua no ramo de medicamentos, foi alvo de operação do Ministério Público, Procuradoria-Geral do Estado e Receita Estadual nesta quarta-feira (4), acusado de fraudes tributárias. O conglomerado com sede em Canoas, na Região Metropolitana, é suspeito de sonegar cerca de R$ 150 milhões em ICMS. A reportagem do Jornal do Comércio tentou contato com a empresa, mas não localizou nenhum responsável até o fechamento deste texto.
Foram cumpridos mandados em oito residências na Capital e em seis empresas em Canoas, como parte de investigação que começou há um ano, a partir de verificação fiscal. O conglomerado alvo da operação é formado por uma atacadista e empresas que distribuem remédios para farmácias de todo o Brasil, gerenciado por um grupo familiar. Depois de sonegar o tributo, o grupo fechava empresas e abria novas, protegendo o patrimônio. 
O esquema foi detalhado durante coletiva de imprensa na sede da Receita da Fazenda Estadual. De acordo com o procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Sul, Fabiano Dallazen, o crime se trata de uma "blindagem de bens. "A empresa pratica o crime de sonegação, recolhendo do contribuinte e não repassando ao fisco. A partir disso, sucessivas operações como lavagem de dinheiro retiram o patrimônio da empresa devedora, deixando-a sem solvência para responder pelas dívidas e protegendo os bens", explicou Dallazen.
O proprietário da atacadista é apontado como chefe da organização criminosa. Para praticar as fraudes, ele criava empresas em nomes de familiares e laranjas. A investigação apurou ainda que o grupo possui fazendas no Maranhão, adquiridas com o dinheiro sonegado. Ao todo, sete pessoas físicas estão sendo investigadas. 
O grupo é dono de cinco empresas atualmente, mas já havia fechado outras dez com dívidas acumuladas. As empresas que seguem em operação são Portopharma, Flueve, Aggius, Suplence e MedPhama, carro-chefe e distribuidora de empresas como Cimed, 3M e BIC. Em 2017, a Maiora inaugurou um novo centro de distribuição em Canoas, com investimento que somou R$ 4 milhões. 
O subsecretário da Receita Estadual, Ricardo Neves Pereira, explicou que o crime ultrapassa a sonegação, já que a fraude tributária repercute na concorrência desleal nos preços dos remédios praticados pelo mercado.
Os representantes dos órgãos envolvidos na operação frisaram que o maior prejudicado pela sonegação de imposto é o contribuinte. "É o dinheiro público que falta para pagar o funcionalismo", exemplificou Dallazen.
Em 2019, foram mais de 35 operações de combate à sonegação desencadeadas no Rio Grande do Sul, em 25 setores da economia, com mais de R$ 1 bilhão recuperados. "Foi um ano de trabalho intenso, e no próximo mais operações virão", adiantou Pereira. 
Ainda de acordo com o titular da Receita, um julgamento do STF ainda este mês pode caracterizar que a inadimplência do ICMS seja considerada crime contra a ordem tributária, facilitando a punição dos devedores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia