Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

CORRIGIR

Saúde

Alterada em 29/11 às 18h41min

Porto Alegre deixa de liderar ranking nacional de infecção por HIV

Campanhas de prevenção têm dado resultado na Capital

Campanhas de prevenção têm dado resultado na Capital


INTERVALO/DIVULGAÇÃO/JC
O Ministério da Saúde divulgou na sexta-feira o novo Boletim Epidemiológico 2019 HIV/Aids que apresenta a situação da epidemia da infecção no País. O documento reforça o grave quadro do Rio Grande do Sul e, especialmente, de Porto Alegre. No entanto, junto com as más notícias, veio uma boa: a capital gaúcha não é mais a líder nacional na taxa de detecção de HIV/AIDS.
O Ministério da Saúde divulgou na sexta-feira o novo Boletim Epidemiológico 2019 HIV/Aids que apresenta a situação da epidemia da infecção no País. O documento reforça o grave quadro do Rio Grande do Sul e, especialmente, de Porto Alegre. No entanto, junto com as más notícias, veio uma boa: a capital gaúcha não é mais a líder nacional na taxa de detecção de HIV/AIDS.
Conforme os dados divulgados pelo Ministério, a taxa de infecção pelo vírus em Porto Alegre foi de 53,7 casos por 100 mil pessoas – uma diferença de 7,2 casos em relação à taxa de 2017, que era de 60,9/100 mil habitantes. Agora, a capital de Santa Catarina, Florianópolis, ostenta a indesejável liderança nacional, com uma taxa de detecção do vírus de 57,0 casos a cada 100 mil pessoas. Em segundo lugar está Belém, com um índice de 56,1 casos/100 mil.
Porto Alegre sempre liderou o ranking de infecção entre as capitais, mas, desde 2009, vem apresentando reduções anuais no índice. O ápice da taxa na Capital foi em 2008, quando bateu em 111,9 ocorrências a cada 100 mil habitantes.
O Rio Grande do Sul, por sua vez, se manteve em segundo n a classificação dos estados, com uma taxa de detecção do vírus de 27,2 casos por 100 mil pessoas, abaixo da taxa de Roraima, que, no ano passado, foi de 40,8/100 mil.
Um dos índices apresentados no estudo, porém, preocupa bastante os porto-alegrenses. A taxa de detecção do vírus em gestantes na cidade é sete vezes maior do que a nacional. Enquanto no Brasil o índice é de 2,9 casos a cada mil nascidos vivos, em Porto Alegre a taxa é de 20,2 casos/mil nascidos vivos, disparada a maior entre as capitais brasileiras 2,2 vezes maior que a taxa do Rio Grande do Sul, que é de 9,2 casos/mil nascidos vivos (a maior entre os estados).
Variação das taxas de infecção por HIV/Aids na Capital (casos por 100 mil pessoas)
  • 2008 - 111,9
  • 2009 - 107,4
  • 2010 - 109,2
  • 2011 - 99,2
  • 2012 - 97,5
  • 2013 - 96,5
  • 2014 - 93,2
  • 2015 - 74,9
  • 2016 - 67,3
  • 2017 - 60,9
  • 2018 - 53,7
Fonte: Ministério da Saúde
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia