Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Urbanismo

10/11/2019 - 15h18min. Alterada em 11/11 às 11h27min

Mobiliário na rua João Alfredo valoriza área para pedestres

Rua João Alfredo está de cara nova e já totalmente afinada com o projeto de Rua Completa

Rua João Alfredo está de cara nova e já totalmente afinada com o projeto de Rua Completa


NÍCOLAS CHIDEM/JC
A rua João Alfredo, reduto da boemia do bairro Cidade Baixa, está de cara nova e já totalmente afinada com o projeto de Rua Completa, que estreia na área e deve se alastrar a outras regiões de Porto Alegre. Pelo menos mais dez pontos devem receber as mudanças. Bancos em madeira coloridos e floreiras povoam uma extensão de 700 metros em áreas que antes eram de estacionamento de carros nas laterais da rua e agora são dedicadas ao fluxo de pedestres. 
A rua João Alfredo, reduto da boemia do bairro Cidade Baixa, está de cara nova e já totalmente afinada com o projeto de Rua Completa, que estreia na área e deve se alastrar a outras regiões de Porto Alegre. Pelo menos mais dez pontos devem receber as mudanças. Bancos em madeira coloridos e floreiras povoam uma extensão de 700 metros em áreas que antes eram de estacionamento de carros nas laterais da rua e agora são dedicadas ao fluxo de pedestres. 
O projeto aposta em mais espaço para convivência das pessoas e menos carros. No piso do asfalto, estão marcadas em cor verde as novas zonas de passeio. Foram instalados três lounges, nove bancos e 16 floreiras. O mobiliário foi obtido a partir de um pool de voluntários e foi confeccionado por alunos do curso de Marcenaria da Fundação Pão dos Pobres. 
Os bancos foram doados pela empresa LifePoa. Os pallets doados pela empresa Gerdau, e o projeto foi desenvolvido pela designer Laura Machado e arquiteta Luísa Konzen (participação na concepção do mobiliário), com apoio do Engenheiros sem Fronteiras. As floreiras de cimento foram doação da Artefatos de Cimento Confiança, as plantas foram fornecidas pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Smams) e a pintura das rótulas foi feita por crianças, com a supervisão do grafiteiro Deivid Bizer.
Segundo a EPTC, desde que foi implantada a sinalização, em setembro, foi registrada uma queda de 36% no número de acidentes na rua, passando de 22 para 14. “Escolhemos um ambiente que já tem ocupação do espaço, tem esse conflito entre pedestres, ciclistas, veículos, moradores e comércio, é um bom ambiente de testes. A ideia depois é usar como modelo para implantar em outras regiões”, explicou, em nota, o prefeito da Capital, Nelson Marchezan Júnior, que conferiu as instalações nesse sábado (9).
A colocação dos bancos e demais itens do novo paisagismo da rua encerra a primeira etapa da metodologia do projeto, informou a EPTC. A Rua Completa já foi adotada em cidades como Nova Iorque, Barcelona, Cidade do México e Madri.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia