Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura Internacional

- Publicada em 16h24min, 13/09/2019. Atualizada em 16h24min, 13/09/2019.

Um sexto das crianças em idade escolar não vão à aula, diz ONU

Estas estatísticas foram divulgadas uma semana antes da Assembleia-Geral das Nações Unidas

Estas estatísticas foram divulgadas uma semana antes da Assembleia-Geral das Nações Unidas


JACQUES DEMARTHON/AFP/JC
Agência Brasil
Cerca de 258 milhões de crianças e adolescentes de entre 6 e 17 anos em todo o mundo, um sexto do total, não frequentam a escola, segundo dados de 2018 publicados hoje (13) pela Organização das Nações Unidas (ONU).
Cerca de 258 milhões de crianças e adolescentes de entre 6 e 17 anos em todo o mundo, um sexto do total, não frequentam a escola, segundo dados de 2018 publicados hoje (13) pela Organização das Nações Unidas (ONU).
Durante mais de uma década, o progresso na escolaridade foi "mínimo ou zero", explicou a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) em comunicado, alertando que "se não forem tomadas medidas urgentes, 12 milhões de crianças nunca verão o interior de uma sala de aula".
Com esses dados - indicou a Unesco - será muito difícil alcançar uma educação inclusiva e de qualidade disponível para todos, um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que a comunidade internacional acordou concretizar até 2030.
A diferença entre países ricos e pobres é evidente quando se observa que, enquanto nos primeiros 2% das crianças em idade escolar primária (entre 6 e 11 anos) não estão na escola, nos segundos são 19 por cento.
Essas diferenças são ainda maiores nos níveis superiores: em comparação com 8% dos jovens de 15 e 17 anos que não frequentam a escola nos países desenvolvidos, a proporção é de 61% nos países em desenvolvimento.
A diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, explicou que as meninas "continuam a ser vítimas dos maiores obstáculos", uma vez que estima-se que haverá 9 milhões que nem sequer vão para o ensino primário, face a 3 milhões de rapazes.
Dessas 9 milhões de meninas não escolarizadas, 4 milhões vivem na África subsaariana, onde a situação é "ainda mais preocupante", assinalou Azoulay ao condiderar que é necessário fazer da educação de mulheres e meninas a "maior prioridade".
Estas estatísticas foram divulgadas uma semana antes da realização da Assembleia-Geral das Nações Unidas, que deve analisar os progressos nos ODS e abordar o financiamento necessário para colocá-los em prática.
Comentários CORRIGIR TEXTO