Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

crime

- Publicada em 11h10min, 08/09/2019. Atualizada em 11h10min, 08/09/2019.

Colaborador da Funai é assassinado em área marcada por conflitos no Amazonas

Folhapress
O colaborador da Funai Maxciel Pereira dos Santos foi assassinado a tiros na noite de sexta-feira (6), em Tabatinga (AM), na fronteira com Peru e Colômbia. Ele trabalhava em uma base do órgão indigenista no Vale do Javari, atacada quatro vezes desde o ano passado.
O colaborador da Funai Maxciel Pereira dos Santos foi assassinado a tiros na noite de sexta-feira (6), em Tabatinga (AM), na fronteira com Peru e Colômbia. Ele trabalhava em uma base do órgão indigenista no Vale do Javari, atacada quatro vezes desde o ano passado.
O crime aconteceu por volta das 18h50min, segundo a Polícia Militar. Santos pilotava sua moto na avenida da Amizade, a mais movimentada de Tabatinga, quando foi alvejado com dois tiros na nuca. A mulher e a enteada presenciaram o assassinato.
Santos trabalhava havia pelo menos 17 anos na Frente de Proteção Etnoambiental Vale do Javari, sempre em ações de vigilância e fiscalização. Apesar de não ser concursado, já havia ocupado diversos cargos e estava sendo indicado para uma nova posição.
A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso, mas informou que ainda não há informações suficientes sobre a motivação do crime. A Polícia Federal está averiguando se o assassinato está relacionado ao trabalho de Santos na Funai.
O colaborador da Funai atuava principalmente na base Ituí-Itacoaí, que funciona sobre uma balsa e está a cerca de 40 km da cidade de Atalaia do Norte. O objetivo dessa base é impedir a entrada de invasores a uma área identificada como a de maior presença de índios isolados do mundo.
O ataque mais recente foi no dia 19 de julho. Caçadores clandestinos dispararam contra a base, onde havia cerca de 12 servidores da Funai e indígenas -Santos não estava nesse dia no local. Ninguém ficou ferido.
Dias após o ataque, o Exército e uma equipe da Funai apreenderam cerca de 300 tracajás e 40 mil ovos com caçadores ilegais dentro da Terra Indígena Vale do Javari, de 8,5 milhões de hectares e cerca de 5.000 índios de sete etnias diferentes, além de 11 grupos de isolados.
Pessoas próximas a Santos dizem, sob a condição do anonimato, que ele era comprometido com o trabalho no Vale do Javari e suspeitam que a motivação do crime seja a sua atuação contra caçadores e outros invasores.
Comentários CORRIGIR TEXTO