Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 03h25min, 09/09/2019. Atualizada em 03h00min, 09/09/2019.

Vírus Zika traz prejuízos motores e de memória a adultos

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) descobriu que o vírus Zika, além de se replicar no cérebro de pessoas adultas, também causa prejuízos de memória e problemas motores. Os pesquisadores usaram tecido sem doença de pacientes adultos que se submeteram a cirurgias no cérebro, mas não tinham Zika, e colocaram o vírus no tecido. Observaram que o Zika infectava aquelas células, principalmente os neurônios, e se replicava no tecido.
Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) descobriu que o vírus Zika, além de se replicar no cérebro de pessoas adultas, também causa prejuízos de memória e problemas motores. Os pesquisadores usaram tecido sem doença de pacientes adultos que se submeteram a cirurgias no cérebro, mas não tinham Zika, e colocaram o vírus no tecido. Observaram que o Zika infectava aquelas células, principalmente os neurônios, e se replicava no tecido.
Uma das coordenadoras da pesquisa, a neurocientista Claudia Figueiredo, explica que os pesquisadores decidiram ver qual seria o efeito se infectassem o cérebro de um camundongo adulto com o Zika. Constatou-se que o vírus se replicava e tinha preferência por áreas relacionadas com a memória e o controle motor. "E era justamente isso que estava alterado nos pacientes quando eles tinham o vírus em quadros mais complicados. Não só o vírus se replicou, mas o camundongo ficou com prejuízo de memória e motor", afirma. O mesmo pode acontecer com pessoas adultas.
Segundo a neurocientista, o prejuízo de memória ocorreu não apenas na fase adulta da infecção, mas também após a infecção ter sido controlada nos camundongos. O vírus teve um pico de replicação de vários dias. "Só que 30 dias depois, quando o vírus já está com quantidade baixa no cérebro, o animal continua com prejuízo de memória". A pesquisadora esclareceu que 30 dias na vida de um animal equivalem a dois, três ou quatro anos na vida de um humano.
Os pesquisadores usaram um anti-inflamatório e viram que esse tratamento melhora o prejuízo de memória. Os cientistas acreditam que a descoberta pode contribuir para a elaboração de políticas públicas para tratamento de complicações neurológicas por Zika em pacientes adultos.
Comentários CORRIGIR TEXTO