Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Pesquisa

- Publicada em 00h12min, 26/08/2019. Atualizada em 00h12min, 26/08/2019.

Estudo revela perfil de agressores de animais no Rio Grande do Sul

Um estudo sobre maus-tratos animais identificou as principais características das pessoas que agridem e abandonam animais no Rio Grande do Sul. Entre os perfis analisados, homens com idades entre 20 e 40 anos lideram a lista dos principais causadores de agressão e abandono.
Um estudo sobre maus-tratos animais identificou as principais características das pessoas que agridem e abandonam animais no Rio Grande do Sul. Entre os perfis analisados, homens com idades entre 20 e 40 anos lideram a lista dos principais causadores de agressão e abandono.
A pesquisa foi realizada pela veterinária Gisele Kronhardt Scheffer, durante a sua graduação em Direito na Faculdade Estácio, na qual analisou as motivações e características dos crimes praticados. Foram entrevistadas 380 pessoas, entre médicos veterinários, protetores de animais e ONGs que trabalham com a causa no Estado.
Notícias sobre direitos dos animais são importantes para você?
Com relação ao abandono, o estudo apontou que os cães são os animais que mais sofrem, sendo atendidos por 88% dos veterinários, enquanto os gatos e as outras espécies correspondem a menos de 7%. Entre as motivações para o abandono estão doenças, ferimentos, velhice, prenhez, comportamento indesejado, deficiência, matriz descartada, compra por impulso e até a "simples" perda de interesse.
No que diz respeito aos casos de maus-tratos, a pesquisa observou que a maioria dos entrevistados atendeu animais domiciliados (56,3%), enquanto 37,7% prestou atendimentos a bichos que estavam na rua. Além disso, foi identificado também o tipo de agressão mais praticado por gênero. Entre os homens, a violência mais comum foi o espancamento, representando 63,3%, seguido pela privação de atendimento veterinário, com 62,8%, e acumulação de animais, 49,3%. Já entre as mulheres, as causas mais frequentes foram em relação à acumulação, com 64,2%, seguida pela privação de atendimento, com 61,9%, e privação de água e alimento, 41%. A pesquisa reconheceu 75% dos perfis como gênero masculino e apenas 25% como feminino.
A maior motivação identificada nas agressões foi "negligência ou ignorância em relação ao bem-estar do animal" (69,6%). Além disso, foram indicadas motivações como "o animal foi desobediente" (28%), "o animal mordeu ou ameaçou o autor ou um familiar" (20,1%), "o animal pertencia a um desafeto do autor" (19,1%), "surto de embriaguez/drogadição do autor" (16,2%) "briga em família, com agressão a pessoas e ao animal" (13,7%), dentre outras.
Comentários CORRIGIR TEXTO