Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Edição impressa de 23/07/2019. Alterada em 22/07 às 21h11min

Porto Alegre tem taxa de hepatite C sete vezes maior que a nacional

Número de pacientes com hepatite cresceu 20% em 10 anos no Brasil

Número de pacientes com hepatite cresceu 20% em 10 anos no Brasil


MARCO QUINTANA/JC
O número de pacientes notificados com casos de hepatites virais no Brasil aumentou 20% de 2008 a 2018, de acordo com o Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais 2019, divulgado ontem pelo Ministério da Saúde. Em 2008, foram registrados 35.370 casos. Dez anos depois, esse número saltou para 42.383. Apesar do aumento, o levantamento apontou queda de 9% no total de mortes, saindo de 2.402 em 2007 para 2.184 em 2017.
O número de pacientes notificados com casos de hepatites virais no Brasil aumentou 20% de 2008 a 2018, de acordo com o Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais 2019, divulgado ontem pelo Ministério da Saúde. Em 2008, foram registrados 35.370 casos. Dez anos depois, esse número saltou para 42.383. Apesar do aumento, o levantamento apontou queda de 9% no total de mortes, saindo de 2.402 em 2007 para 2.184 em 2017.
Rio Grande do Sul e Porto Alegre são o estado e a capital com as maiores taxas de hepatite C, a mais perigosa e com maior risco de se tornar uma doença crônica. No Brasil o índice de detecção é de 12,6 casos por 100 mil habitantes. A taxa gaúcha é de 46,5 casos, enquanto a de Porto legre é de 91,1 - sete vezes superior à nacional.
Para se ter uma noção da gravidade da situação em Porto Alegre, a segunda capital com maior detecção de hepatite C no País é São Paulo, com 37,3 casos/100 mil habitantes. Ou seja, a capital gaúcha tem uma taxa 2,4 vezes maior que a paulista. Em 2018, a doença - transmitida por sangue contaminado, sexo desprotegido e compartilhamento de objetos cortantes - teve 26.167 casos no Brasil.
Para combater a disseminação e ampliar o diagnóstico precoce, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Porto Alegre irá promover ações de testagem para detecção de hepatites B e C, além de capacitação profissional para marcar o Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais, lembrado no próximo domingo, dia 28.  
Durante a semana, a unidade móvel do projeto Fique Sabendo levará testes rápidos de HIV, sífilis e hepatites B e C ao Asilo Padre Cacique, na quarta-feira, e ao Viaduto da Conceição, no sábado, em parceria com a ONG Cozinheiros do Bem. Já na sexta-feira, haverá capacitação com profissionais que atuam nos Centros de Atenção Psicossocial, enfatizando a prevenção da hepatite C em pessoas em situação de vulnerabilidade. No domingo, a SMS participa de ação de testagem promovida pela Sociedade Brasileira de Hepatologia, das 10h às 16h, no Parque da Redenção, próximo do Monumento ao Expedicionário.
A importância do diagnóstico e da prevenção também são salientadas pelo Ministério da Saúde. "Estamos garantindo prevenção, por meio de vacinas, e diagnóstico, com oferta de testes, além de tratamento. É muito importante que as pessoas acima de 40 anos procurem uma unidade de saúde para realizar testagem e se imunizar contra a hepatite B e que os pais vacinem as crianças contra hepatite A", disse, em nota, o ministro Luiz Henrique Mandetta.
Além dos testes, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece vacina contra a hepatite A para menores de cinco anos e grupos de risco. Disponibiliza, também, vacina contra a hepatite B para todas as faixas etárias. A hepatite é a inflamação do fígado e pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, assim como por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. Essas doenças são silenciosas - ou seja, nem sempre apresentam sintomas, mas quando aparecem, podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

Meta do Brasil é eliminar novas ocorrências do tipo C até 2030

Trabalhando para a eliminação do tipo C do vírus, o Ministério da Saúde disponibilizou, nos últimos três anos, 100 mil tratamentos para hepatite C. Neste ano, foram entregues 24 mil e, até o início de agosto, serão entregues outros 5 mil tratamentos.

De acordo com a pasta, todas as pessoas diagnosticadas com hepatite C têm a garantia de acesso ao tratamento, independente do dano no fígado, assegurando universalização do acesso previsto desde março de 2018. Essa ação, segundo o ministério, coloca o Brasil como protagonista mundial no combate à hepatite C.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia