Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de julho de 2019.
Dia Nacional dos Clubes.

Jornal do Comércio

Geral

CORRIGIR

Mobilidade

Edição impressa de 15/07/2019. Alterada em 15/07 às 03h00min

Veículo do aeromóvel está 'em manutenção profunda' há dois anos

Equipamento com capacidade para 300 passageiros fica parado

Equipamento com capacidade para 300 passageiros fica parado


/MARCO QUINTANA/JC
Patrícia Comunello
No fim de semana dos dias 6 e 7 de julho, passageiros e público que circulam no Aeroporto Internacional Salgado Filho (Porto Alegre Airport) não contaram com o serviço do aeromóvel. O veículo sobre trilhos, com propulsão a ar, é uma facilidade na ligação com a estação da Trensurb. Porém, ficou parado os dois dias para manutenção e não é a primeira vez que isso ocorre, deixando os usuários desassistidos. Desde o segundo semestre de 2018, foram pelo menos quatro vezes.
No fim de semana dos dias 6 e 7 de julho, passageiros e público que circulam no Aeroporto Internacional Salgado Filho (Porto Alegre Airport) não contaram com o serviço do aeromóvel. O veículo sobre trilhos, com propulsão a ar, é uma facilidade na ligação com a estação da Trensurb. Porém, ficou parado os dois dias para manutenção e não é a primeira vez que isso ocorre, deixando os usuários desassistidos. Desde o segundo semestre de 2018, foram pelo menos quatro vezes.
A história poderia ser outra se o segundo veículo do aeromóvel estivesse funcionando. Faz dois anos que o A200, com capacidade para 300 pessoas, o dobro do veículo menor, com 150 passageiros (A100), está parado na elevada que liga o aeroporto e a estação do trem. Uma facilidade é que o usuário paga apenas a passagem da Trensurb para trafegar os 814 metros do aeromóvel e usar o trem.
Desde julho de 2017, "o veículo A200 encontra-se em processo de manutenção profunda", definiu o coordenador do Centro de Desenvolvimento Operacional Aplicado à Tecnologia Aeromóvel, Gustavo Gottert Knies. O carro foi mais usado justamente na Copa, devido ao fluxo de turistas. Ter dois carros também era estratégico para manter a operação quando um deles ficasse fora de operação.   
O aeromóvel foi um dos poucos projetos do pacote de mobilidade para a Copa do Mundo de 2014 que saiu do papel a tempo. Cinco anos depois, mais da metade das dez obras previstas para o Mundial não foi concluída. Algumas obras têm previsão para 2019 e outras não possuem prazo. 
Com quase R$ 36 milhões de investimentos federais, o sistema de transporte sobre trilho (parte física e tecnologia) é o primeiro neste modelo a ser usado comercialmente no Brasil. Em nota, a Trensurb explica que a demora para colocar o A200 em atividade novamente se deve ao tipo de conserto exigido. "Está sendo necessário o desenvolvimento dos próprios processos de manutenção, além da aquisição de peças e insumos. Em função das limitações orçamentárias, algumas das aquisições também levaram mais tempo que o esperado", informou Knies. 
Entre as medidas previstas estão a recuperação dos truques de extremidade, alinhamento e instalação do suporte da nova placa de desgaste, manutenção do truque central e dos mecanismos de porta, substituição do piso e, por fim, testes da automação. Aí, diz a estatal, o veículo será liberado. Para efetuar as correções, precisam chegar "dois componentes". A meta é deixar o A200 em condições de rodar neste segundo semestre, sem precisar uma data.
"Temos um técnico em mecânica dedicado para as atividades de recuperação. Não diria que temos dificuldades, as atividades estão sendo realizadas num ritmo bom", analisa o coordenador, que atribui "alguns atrasos" ao uso compartilhado de oficinas com outras demandas da empresa. "Eu diria que as dificuldades de orçamento estão superadas. As dificuldades de ordem tecnológica ainda podem existir, pois ainda temos alguns processos inéditos no caminho, porém a maior parte já foi desenvolvida."
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia