Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de junho de 2019.
Dia da Liberdade de Imprensa.

Jornal do Comércio

Geral

CORRIGIR

Astronomia

07/06/2019 - 11h04min. Alterada em 07/06 às 11h04min

Queda de suposto meteoro chama atenção em cidades do Rio Grande do Sul

Gaúchos de diversas regiões registraram em vídeo a passagem do objeto cósmico

Gaúchos de diversas regiões registraram em vídeo a passagem do objeto cósmico


reprodução/twitter/JC
Lívia Rossa
Uma "bola de fogo". Foi assim que moradores de várias cidades do Rio Grande do Sul relataram, na noite dessa quinta-feira (6), a ocorrência da queda de um objeto no céu. Os registros em fotos e vídeos se espalharam pelas redes sociais, mostrando o fenômeno que durou menos que um minuto. Especialistas consideram que o episódio possa ter sido provocado, provavelmente, pela queda de um meteoro. 
A maior parte dos relatos vieram das regiões Norte e Oeste do Estado. Conforme a MetSul, mais de 20 cidades observaram o ocorrido. Santo Ângelo, Cruz Alta, Estrela, Quarai, Soledade, Terra de Areia, Caxias do Sul, Erechim, Almirante Tamandaré do Sul, Alegrete, Guaíba, Tapera, Canoas, Ijuí, Manoel Viana, Tupanciretã, Passo Fundo, Venâncio Aires, Sapucaia do Sul, Pejuçara e Marau foram algumas delas.
Em São Borja, na Fronteira Oeste, o clarão no céu foi visto por volta das 23h. O sociólogo Gerson Oliveira conta que o meteoro "parecia um foguete, que foi se desintegrando e apagou antes de cair", relata.
De acordo com o físico e técnico do Observatório Astronômico da Pucrs Marcelo Bruckmann, esse tipo de interação espacial acontece desde sempre. O registro de ontem, no entanto, é eventual, já que grande parte dos meteoros se desintegram na atmosfera sem deixar traço visível.
A aparição em algumas cidades e outras não, segundo o físico, pode ser atribuída a fatores como tamanho, ângulo de incidência e velocidade de queda do fragmento. "O que ajuda na visualização ou não de determinado bórido é o ângulo. Ele pode ser agudo, ou seja, aparece em um local específico, ou pode ser suave, que vai se fragmentando aos poucos. Por várias regiões terem visto, é provável que nesse caso tenha sido suave", esclarece.
Quanto à composição, o físico diz ser difícil ter resposta assertiva sobre a origem de qualquer objeto de origem cósmica sem análise do material. Além de um fenômeno natural, outra hipótese seria lixo espacial, já que, de acordo com especialista, o espaço é um depósito irregular de materiais que rodeiam a Terra.
"O que vai definir se o que caiu foi um meteoróide, um meteoro ou meteorito é a forma como ele vai se relacionar com o planeta. As imagens mostram o fenômeno se desintegrando, reforçando que provavelmente fosse um meteoro. Se fosse meteorito, provavelmente geraria impacto no solo, como a abertura de cratera", explica Bruckmann.
CORRIGIR