Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 15 de março de 2019.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

15/03/2019 - 20h03min. Alterada em 15/03 às 20h34min

Justiça condena quatro réus pelo assassinato de Bernardo Boldrini

Sucilene Engler (em pé) pronunciou a sentença no fim da tarde desta sexta após cinco dias de juri

Sucilene Engler (em pé) pronunciou a sentença no fim da tarde desta sexta após cinco dias de juri


TJRS/TWITTER/DIVULGAÇÃO/JC
O júri considerou culpado os quatro réus processados pelo assassinato de Bernardo Boldrini, de 11 anos, morto em abril de 2014 em Três Passos, no norte do Rio Grande do Sul. Após cinco dias de julgamento, a juíza Sucilene Engler pronunciou a sentença, no fim da tarde desta sexta-feira (15), condenando o pai do menino, Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, Edelvânia Wirganovicz e o irmão dela, Evandro Wirganovicz.
Na sentença, a pena maior foi a da madrasta de Bernado, condenada a 34 anos e 7 meses de prisão, sendo: 32 anos e 8 meses por homicídio e 1 ano e 11 meses por ocultação de cadáver. O pai, Leandro Boldrini, foi condenado a 33 anos e 8 meses de prisão, sendo 30 anos e 8 meses por homicídio, 2 anos por ocultação de cadáver e 1 ano por falsidade ideológica.
A menor pena é a de Evandro Wirganovicz, a pena fixada foi de 9 anos e 6 meses (8 anos por homicídio simples e 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver). Sua irmã, Edelvânia Wirganovicz, foi condenada a 23 anos de reclusão - 21 anos e 4 meses pelo homicídio e 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver.
Os condenados não poderão recorrer em liberdade da decisão.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia