Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

Alterada em 22/02 às 11h16min

Entidades médicas gaúchas se posicionam sobre aplicação da telemedicina

Evento debateu o uso da Telemedicina

Evento debateu o uso da Telemedicina


MARCELO MATUSIAK/DIVULGAÇÃO/JC
Em assembleia realizada na terça-feira (19), no auditório do Centro de Eventos Amrigs, reunindo a Associação Médica do Rio Grande do Sul (Amrigs), o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) e o Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), foi firmado o compromisso de entregar no prazo de 45 dias, uma lista de alteração para serem incluídas na resolução 2.227/2018 do Conselho Federal de Medicina (CFM).
A resolução reconhece o uso da tecnologia para atendimentos médicos à distância e define diferentes formas de interação entre profissionais e pacientes.
O presidente do Simers, Marcelo Matias, lembrou que houve uma mobilização nacional contrária e que exige a imediata suspensão do andamento do processo.
"Não existe médico contra o progresso e avanço. Não há como se contrapor a tecnologia. Somos estudiosos e ávidos por novidades. Entretanto, a forma como foi feita e alguns pontos que foram colocados são inaceitáveis. Precisamos parar com o processo porque ele foi feito de cima para baixo e sem ouvir as bases", disse.
O texto estabelece a telemedicina como exercício da medicina mediado por tecnologias para fins de assistência, educação, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde, podendo ser realizada em tempo real ou offline.
O presidente do Cremers, Eduardo Trindade, também ressaltou que o tema medicina e a profissão médica são de interesse de toda a população.
"Não zelamos pela classe médica, mas sim pela sociedade. Essas transformações são um perigo não só para classe profissional, mas para toda população. Estejam seguros que nós, do Conselho, somos contrários a quase todos os pontos e queremos mostrar sugestões para que as novas tecnologias sejam incorporadas, mas de forma segura e em benefício dos profissionais e dos pacientes", afirmou.
Os presentes no plenário também relataram suas experiências durante o II Fórum de Telemedicina, promovido pelo CFM, em Brasília, no dia 07 de fevereiro. O Conselho Federal de Medicina foi representado pelo médico Cláudio Franzen, que defendeu as atitudes favoráveis do CFM em relação aos profissionais médicos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia