Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de fevereiro de 2019.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Meio Ambiente

Alterada em 07/02 às 15h58min

Damares Alves visita Brumadinho e mantém encontro com autoridades

Damares visita o município mineiro com membros da Funai e de secretarias nacionais

Damares visita o município mineiro com membros da Funai e de secretarias nacionais


PREFEITURA DE BRUMADINHO/DIVULGAÇÃO/JC
Agência Brasil
Acompanhada de comitiva, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), Damares Alves, viajou nesta quinta-feira (7) para Brumadinho (MG), município onde uma barragem da mineradora Vale se rompeu, em 25 de janeiro, provocando a morte de ao menos 150 pessoas. Para a agenda do dia, estão marcadas reuniões com o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, e autoridades das esferas estadual e municipal, além de visitas a regiões atingidas pela tragédia.
Além da ministra, integram a comitiva membros da Fundação Nacional do Índio (Funai), Secretaria Nacional de Juventude (SNJ), Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SNPIR) e Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA).
Uma das principais preocupações de Damares é a de oferecer uma justa reparação aos indígenas prejudicados pelo rompimento da barragem. "Não houve vítimas fatais, porém os indígenas estão sendo afetados, considerando que o rio [Paraopeba] foi contaminado e eles dependem dele para sobreviver", disse a ministra em nota divulgada pela assessoria da pasta.
"Estamos diante de uma tragédia humana. Viemos não somente prestar solidariedade, como também acompanhar se todos os procedimentos e protocolos de atendimento para situações de desastre estão sendo observados", disse a ministra.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia