Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 12 de janeiro de 2019.
Aniversário da Caixa Econômica Federal.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos Humanos

Alterada em 12/01 às 16h05min

Defesa do médium João de Deus desiste de habeas corpus no STF

João de Deus está preso desde 16 de dezembro no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia

João de Deus está preso desde 16 de dezembro no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia


EVARISTO SA/AFP/JC
Folhapress
A defesa do médium João de Deus protocolou na noite dessa sexta-feira (11) um pedido de desistência de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido de soltura do médium havia sido protocolado no dia 20 de dezembro, um dia depois do início do recesso do Judiciário. O caso seria analisado pelo presidente da Corte, o ministro Dias Toffoli.
Neste sábado (12), Toffoli homologou o pedido de desistência do habeas corpus. João de Deus está preso preventivamente desde 16 de dezembro no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Naquarta-feira (9) ele se tornou réu pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual.
A juíza Rosângela Rodrigues dos Santos aceitou adenúncia oferecida pelo Ministério Públicode Goiás.A defesa do médium nega as acusações. A desistência do habeas corpus no Supremo faz parte da estratégia da defesa do médium, que vai aguardar o julgamento de outro pedido de liberdade protocolado no Tribunal de Justiça do Estado de Goiás.
Os crimes deabusosexualteriam sido praticados durante atendimentos individualizados e em locais restritos na Casa Dom Inácio de Loyola, local onde o médium atendia em Abadiânia. O Ministério Público de Goiás formou uma força-tarefa para cuidar do caso e recebeu mais de 300 denúncias de abuso sexual contra João de Deus.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia