Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

imprensa

10/01/2019 - 10h59min. Alterada em 10/01 às 22h09min

Jornalista e ex-editor do JC João Gamboa morre em Porto Alegre

Em dezembro, Gamboa (e) foi homenageado pela Associação Riograndense de Imprensa

Em dezembro, Gamboa (e) foi homenageado pela Associação Riograndense de Imprensa


RICARDO STRICHER/DIVULGAÇÃO/JC
O jornalista João Egydio Gamboa faleceu na noite desta quarta-feira (9), aos 76 anos em Porto Alegre. Segundo familiares, ele teve complicações após uma cirurgia realizada na segunda-feira (7) em hospital da capital gaúcha. Gamboa deixa a mulher Sara, as filhas Tatiana, Jeanne e Juanita, e os netos Rodrigo, Pedro, Miguel, Carlos Eduardo, Francisco, Vicente e Joana.
Ex-editor assistente de Política do Jornal do Comércio, Gamboa atuou por 48 anos no veículo. Natural de Santa Vitória do Palmar, fez a faculdade de Jornalismo na Ufrgs e um estágio na sucursal do Jornal do Brasil. Foi ainda revisor do Diário Oficial do Estado e trabalhou na assessoria de imprensa do Palácio Piratini. Ingressou no JC em 25 de maio de 1970.
Gamboa iniciou no Jornal do Comércio como repórter de Geral, passou por Esportes e Economia, onde cobria agropecuária - entrevistou ministros da Agricultura e comandou coberturas da Expointer.
Em 1977 foi alçado à chefia de reportagem. Introduziu melhorias no 2º Caderno, como uma mesa redonda de especialistas para discutir temas econômicos, e no início dos anos 1980 se tornou secretário de redação.
Nos últimos 20 anos, atuou como editor-assistente de Política do JC, onde trabalhou até o ano passado. Gamboa recebeu diversos convites para sair do JC - desde outros veículos até de órgãos governamentais, como a Eletrosul. Mas optou por permanecer no jornal, onde se sentia em casa.
Em dezembro do ano passado, Gamboa foi homenageado com a medalha Alberto André pela Associação Riograndense de Imprensa (ARI), como reconhecimento pela sua trajetória no jornalismo gaúcho.
O velório de João Egydio Gamboa será a partir das 9h desta sexta-feira (11) na capela 8 do Cemitério Ecumênico João XXIII, em Porto Alegre. O enterro está previsto para as 20h.

Competência no ofício e amizade dos colegas

Guilherme Kolling, editor-chefe
Eu já trabalhava com jornalismo, mas ainda não estava no Jornal do Comércio quando, certa vez, ouvi uma história sobre o João Egydio Gamboa, a quem não conhecia. Quem contava era um repórter já veterano, lembrando como fora sua estreia na reportagem no início dos anos 1980. Rememorou que estava preocupado, não sabia direito a quem entrevistar ao fazer a cobertura das entidades empresariais. Ao chegar na pauta, lembrou de dizer "quem me mandou aqui foi o Gamboa", então seu chefe no JC. Foi o que bastou para as portas se abrirem.
Anos depois, no Jornal do Comércio, conheci o Gamboa, que não lembrava da história, mas achou graça. Humilde, não se gabava de seus feitos como jornalista.
Discreto, desempenhava seu ofício e vencia o desafio diário do jornalismo de buscar a informação correta para repassar aos leitores, edição após edição. Desempenhou essa tarefa com competência por 48 anos no JC.
Na redação, Gamboa era bem quisto por todos, e cativava especialmente aos mais jovens, a quem tratava com carinho e respeito. Era uma referência. Um grande colega e amigo de todos.
 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Alexandre Leboutte 11/01/2019 16h22min
Gamboa sempre tinha um largo e espontâneo sorriso pra dar. Guardo pra sempre. Meus sentimentos à família e a todos os colegas tocados por essa partida.
Carlos Neves 11/01/2019 02h49min
Gamboa, como o chamávamos e tive o privilégio de conviver e trabalhar no JC durante anos, era um jornalista, e ser humano, que se sobressaia pela parceria, companheirismo ,ética,gentileza ,e, acima de tudo, pela lisura de caráter no trato com todos os colegas. Afora isso, um grande profissional. Saudades, tchê !! Sentimentos à família !
Ivan Cunha Mattos Filho 10/01/2019 19h12min
Grande "Seu Gamboa" como eu respeitosamente o chamava na redação do Jornal do Comércio. Suas características mais marcantes, além do profissionalismo e competência, eram a educação, a gentileza e a cordialidade. Impossível passar por alguém no Jornal e não cumprimentar. Discreto, amável e muito generoso. Descanse em paz, Seu Gamboa.
Fernanda Bastos 10/01/2019 17h22min
Um grande profissional, muito generoso e afetuoso, que ensinou muito aqueles que puderam trabalhar com ele. Meus sentimentos à família e amigos. Dia de muito pesar para o jornalismo gaúcho.
Sérgio Saraiva 10/01/2019 16h11min
Pêsames para a família e colegas! Gamboa esteve comigo nos 13 anos que trabalhei no JC.
Luiz Carlos Vaz 10/01/2019 15h47min
Presto minha homenagem a este grande amigo e colega, profissional exemplar, com quem convivi na redação do Jornal do Comércio e na assessoria de Imprensa do Palácio Piratini. Meus sentimentos aos familiares.
Alfredo Daudt JR 10/01/2019 15h25min
É muito triste essa notícia. Nosso colega de redação. Discreto e competente.
Jurema Josefa 10/01/2019 14h59min
Meus sentimentos à família. E muita tristeza por perder um amigo da qualidade do Gamboa. Sem palavras, pois estivemos contentes, juntos, na homenagem merecida que a Associação Riograndense de Imprensa (ARI) fez a ele. Recebeu a medalha Alberto André, sinônimo de Ética!!!