Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 05h35min, 03/01/2019.

Assistência receberá 'cada centavo' economizado, diz ministro

A partir de agora, "cada centavo" economizado pelo Ministério da Saúde vai para a assistência da população. A promessa foi feita ontem pelo novo titular da pasta, Luiz Henrique Mandetta, durante cerimônia de transmissão do cargo. Em sua fala - logo após a entrega do posto pelo até então ministro Gilberto Occhi -, ele acentuou sua disposição em promover "a maior revolução da história da atenção básica brasileira".

A partir de agora, "cada centavo" economizado pelo Ministério da Saúde vai para a assistência da população. A promessa foi feita ontem pelo novo titular da pasta, Luiz Henrique Mandetta, durante cerimônia de transmissão do cargo. Em sua fala - logo após a entrega do posto pelo até então ministro Gilberto Occhi -, ele acentuou sua disposição em promover "a maior revolução da história da atenção básica brasileira".

"Não dá para gastar sem saber. Em ministério muito grande, é fácil esquecer que R$ 1 mil é muito dinheiro", afirmou Mandetta, que foi secretário de Saúde de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, e cumpriu dois mandatos como deputado federal pelo DEM.

O ministro se disse comprometido com a revisão do atual modelo de saúde indígena - que, segundo ele, é "quase um sistema paralelo" e "improvisado" em boa parte de sua atuação. Mandetta garantiu que irá discutir a questão com os ministros da Cidadania, Osmar Terra, e da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. "Já erramos muito com nossa população indígena em mais de 500 anos de história, não podemos errar mais", disse, propondo um "sistema racional" que trate esses povos como "cidadãos do seu tempo".

Ao mencionar os secretários de governo, Mandetta reservou algumas palavras a Erno Harzheim, que deixou a Secretaria da Saúde de Porto Alegre para assumir como secretário executivo adjunto do ministério. E demonstrou afinidade com a adoção do terceiro turno na atenção básica, uma das políticas defendidas por Harzheim na Capital. Porém, não mencionou prazos para a implantação do novo turno de atendimento.

Outras bandeiras defendidas pelo ministro incluem uma maior atenção às pessoas com deficiência, além de melhorar os índices do Programa Nacional de Imunizações. Ele também anunciou a criação da Secretaria de Atenção à Saúde Básica, separando o setor dos esforços em média e alta complexidade.  E afirmou que deseja um sistema privado "forte e solidário", mas que gere menos queixas dos consumidores. 

Comentários CORRIGIR TEXTO